Campanha de Trump contactou Wikileaks para "piratear" emails de Hillary Clinton

"Posso confirmar um contacto com a Cambridge Analytica e posso confirmar que o Wikileaks o rejeitou", disse Julian Assange

Uma empresa contratada pela campanha presidencial de Donald Trump contactou o fundador do Wikileaks para "piratear" emails da conta privada que Hillary Clinton utilizou quando era secretária de Estado, mas este negou a colaboração, disse o próprio Julian Assange.

A empresa que contactou com o Wikileaks foi a Cambridge Analytica, com escritórios em Nova Iorque, Washington e Londres e dedicada à análise de dados, confirmou Assange no Twitter depois de meios de comunicação terem publicado a informação.

"Posso confirmar um contacto com a Cambridge Analytica (antes de novembro do ano passado) e posso confirmar que o Wikileaks o rejeitou", disse Assange.

Foi o diretor da Cambridge Analytica, Alexander Nix, que divulgou a sua abordagem a Assange num e-mail enviado a vários doadores de Trump, incluindo Rebekah Mercer, mas afirmou que não recebeu nenhum membro da campanha do magnata, segundo a CNN.

A campanha de Trump contratou os serviços da Cambridge Analytica em 2016.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.