Camionista português detido em França por conduzir com 3 g/l de álcool

A condução aos ziguezagues numa auto-estrada levou automobilistas a travarem o camião e alertarem a polícia

Vários automobilistas que circulavam na A151, entre Rouen e Dieppe, em França, na terça-feira ao fim da tarde, deram conta que um camião parecia seguir desgovernando, com vários ziguezagues pela via a assustar quem por lá passava. Quando saiu para uma estrada nacional, junto a Totes, o veículo pesado conduzido por um motorista português foi imobilizado por outros condutores. Quando a policia chegou, fez o teste de álcool e o aparelho revelou uma taxa superior a 3 g/l de álcool no sangue. O português foi detido.

De acordo com o jornal Paris Normandie, a detenção ocorreu cerca das 20.00 e foi efetuada por brigadas da polícia de Totes e de Dieppe. Os agentes já tinham sido recebido várias denúncias de condutores que se tinham apercebido da condução errática do camião. Contaram que chegou mesmo a tocar nos rails de proteção quando seguia na A151. A imprensa francesa relata que foram automobilistas que conseguiram imobilizar a viatura de transporte de mercadorias quando esta entrou numa estrada secundária.

A polícia chegou logo depois. O motorista foi submetido ao teste de álcool e acusou uma taxa-crime: ultrapassava os 3 g/l de álcool no sangue, o que originou a sua detenção. Em França o limite é 0,5 g/l. Os agentes verificaram que o português também não tinha respeitado o tempo descanso obrigatório para motoristas.

Depois dos casos em Espanha

Este caso com um motorista português surge dias depois de outro profissional português ter sido detido em Espanha, pelo mesmo crime, condução sob o efeito de álcool, mas também por estar envolvido num acidente com graves consequência: dois mortos. O acidente mortal ocorreu próximo da localidade de Quintanapalla e o camionista apresentava uma taxa de alcoolemia que atingia o dobro do limite para condutores profissionais em Espanha, que é de 0,3 g/l. O camião terá invadido a faixa contrária, onde circulava um automóvel com um casal de jovens galegos que morreram. Três outras pessoas, que seguiam num outro carro e numa mota ficaram igualmente feridas. O motorista está indiciado pelo Tribunal de Instrução 2 de Burgos de "homicídio involuntário e de um delito contra a segurança rodoviária".

No mês de julho, outros dois portugueses foram detidos igualmente em Espanha, e o álcool foi o motivo. Em Zamora, a Guardia Civil recebeu o alerta de que um camião circulava aos ziguezagues na estrada, colocando os restantes condutores em risco. Intercetado o veículo pesado de mercadorias e efetuado o teste de álcool constataram que o homem, de nacionalidade portuguesa, apresentava uma taxa de alcoolemia que quintuplicava a permitida por lei. No dia seguinte, outro camionista português foi detido, em Roales del Pan, perto de Zamora, tendo apresentado uma taxa de álcool no sangue quase quatro vezes superior à que é permitida.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.