Camberra enfrenta invasão de cangurus

Escassez de alimentos tem contribuído para o fenómeno e levado os animais a procurar comida na cidade

Os habitantes de Camberra, na Austrália, foram surpreendidos por uma invasão de cangurus. A escassez de alimentos está por detrás da ocupação de recintos desportivos, quintais e estradas por parte dos animais.

Várias imagens têm sido partilhadas pela população nas redes sociais. Porém, se à primeira vista parece um momento inofensivo, a verdade é que a situação revela-se perigosa para os marsupiais, que ocupam as estradas nas horas de ponta à procura de comida.

"Camberra está a viver uma série de dificuldades para os seus cangurus. Foram feitos novos registos para noites frias e geladas no inverno. A juntar às condições muito secas e com escassez de comida em junho e julho, isso significa que há pouca comida para os cangurus. Os campos desportivos, os subúrbios, os pátios das escolas e as estradas são dos poucos lugares que neste momento têm relva verde em Camberra, o que atrai os cangurus", disse Daniel Iglesias, diretor dos parques e da conservação do Território da Capital Australiana.

Segundo a CNN, na capital australiana existem mais de 30 reservas naturais, a maioria com centenas de cangurus cinzentos orientais, e não é habitual avistá-los nas reservas, nas estradas ou até mesmo nas proximidades.

As autoridades aconselham os condutores a não conduzirem em áreas com uma elevada densidade de cangurus, especialmente durante as horas em que eles se alimentam, isto é, no início e ao final do dia, uma vez que eles podem saltar à frente dos automóveis em marcha sem aviso prévio. Alguns veículos dispõem de "barras vermelhas" na parte da frente que permitem a travagem em caso de colisão com um destes animais.

Os cangurus vivem em grupos conhecidos por "multidões", muitas vezes liderados por machos. "Saiba quais os locais onde se encontram estas multidões e evite-os, ou abrande a velocidade, especialmente durante os períodos das horas de ponta do amanhecer e do anoitecer. As pessoas também se devem deixar proteger pelos seus cães, uma vez que os cangurus não gostam de ser perseguidos por eles, e os cães também podem ficar em risco de ser prejudicados", aconselhou Iglesias.

Segundo o site do governo ACT, o Território da Capital Australiana, o fenómeno leva a que Camberra seja conhecida como a "capital dos cangurus". O departamento do meio ambiente disse que as estatísticas têm disparado, na medida em que na Austrália existem reservas naturais com elevadas densidades de cangurus, quase 700 por quilómetro quadrado.

Apesar de por estes dias os cangurus serem considerados uma ameaça, o abate é ilegal. Porém, esta prática é promovida todos os anos pelo governo ACT, com o objetivo de reduzir o impacto dos animais nos ecossistemas e ameaçar algumas espécies da fauna e flora locais. A última edição, que se realizou na última sexta-feira, 27 de julho, fez que cerca de 3253 cangurus fossem retirados de sete reservas naturais de Camberra, embora "dezenas de centenas" destes animais permaneçam no local. Apesar de a população na cidade rondar os 400 mil habitantes, o número de cangurus na Austrália, a nível nacional, costuma ser o dobro do número de seres humanos.

Um relatório divulgado em 2016 dá conta de mais de 44 milhões de cangurus viverem no país. Por outro lado, os censos de 2016 indicam que pelo menos 24 milhões de pessoas vivem na Austrália.

Enquanto os residentes vão e vêm do trabalho, os cangurus dedicam-se à procura de comida.

"Os dias curtos de inverno significam que as pessoas vão para o trabalho ao amanhecer e voltam ao anoitecer, juntando os condutores e os cangurus numa situação potencialmente mortal para os cangurus. Os guardas-florestais estão a registar o número de atropelamentos mortais envolvendo estes animais, com Camberra a dominar nas colisões automóveis", afirmou Iglesias, que também pede aos condutores que atropelam estes animais para não tentarem movê-los, para não se porem em perigo.

Conforme a presença dos marsupiais vai sendo habitual, pede-se alguma cautela do lado dos residentes. "Os cangurus vão se habituando a ter as pessoas por perto, e a sua procura por comida vai determinar o fim da sua natureza cautelosa. As pessoas não se devem aproximar destes animais para os alimentar ou acariciar, uma vez que isso vai confundir os seus avanços bem-intencionados e você corre o risco de os atacar em legítima defesa", avisa Iglesias.

No dia 25 de junho deste ano um canguru interrompeu um jogo de futebol entre os Belconnen United Blue Devils e o Canberra FC. Durante o encontro o animal resolveu deitar-se em campo e brincar com a bola, o que levou os comentadores da ABC a afirmar na brincadeira que o marsupial tinha feito "um bom passe de qualidade". Veja esse momento em vídeo.

Os cangurus também gostam de aparecer em sessões fotográficas sem autorização. A artista e fotógrafa Akka Ballenger Constantin descreveu um destes casos no seu blogue, quando estava a tirar fotos à política trabalhista da ACT Tara Cheyne.

De acordo com Iglesias, vários cangurus têm sido retirados de piscinas, parques de estacionamento e armazéns dos centros comerciais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.