Câmaras ocultas mostram galinhas a serem cozidas vivas

Imagens foram captadas num matadouro australiano e são chocantes

As imagens podem ser chocantes. Mostram como é feito o abate de galinhas num matadouro de Melbourne, na Austrália, onde muitos animais são colocados em água a ferver quando ainda estão vivos. O matadouro continua a funcionar apesar da denúncia, mas as autoridades deram início a uma investigação.

O vídeo foi captado pela ativista dos direitos dos animais Tamara Kenneally em março, depois de ter conseguido colocar câmaras ocultas no interior das instalações. De acordo com as regras australianas, as galinhas devem ser atordoadas antes de serem degoladas e depois colocadas em água a ferver para que lhes sejam retiradas as penas. No entanto, estas imagens mostram que muitos animais são colocados na água quando ainda estão vivos e a debaterem-se para se salvarem.

A PrimeSafe, responsável pela verificação do cumprimento das leis no que respeita os direitos dos animais investigou a situação "devido a violação dos padrões australianos" e encaminhou o vídeo para as autoridades responsáveis, que, no entanto, não deram início a uma investigação formal por crueldade sobre os animais, considerando que as medidas entretanto adotadas pelo matadouro seriam suficientes para resolver o problema.

Uma associação de defesa dos animais (Royal Society for the Prevention of Cruelty to Animals) defende que o matadouro deveria ter sido imediatamente encerrado.

Segundo a ABC australiana, o matadouro das imagens foi inspecionado quatro vezes nos últimos 12 meses como manda a lei daquele país.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.