Calendário põe presos e polícias a trabalhar juntos para resolverem crimes

Polícia espera que reclusos deem pistas sobre casos arquivados

Reclusos da Holanda vão receber calendários com informações sobre casos de crimes que nunca foram resolvidos, uma medida que as autoridades acreditam que vai ajudar na resolução dos mesmos.

A ideia já foi testada em cinco prisões holandesas e o resultado foi positivo: a polícia recebeu cerca de 160 pistas dos presidiários, incluindo do caso de um menino de 11 anos que desapareceu em 1998.

Agora, os calendários serão distribuídos por todos os 30 mil detidos do país, segundo o The Guardian.

Cada semana do calendário para o biénio 2018/2019 vai ter uma fotografia da vítima e algumas informações sobre os casos. O calendário apenas mostrará casos de homicídios ou desaparecimentos que ficaram por desvendar e acabaram por ser arquivados. São cerca de 1500.

"A experiência da polícia e do sistema de justiça mostra que os prisioneiros têm níveis relativamente altos de crimes cometidos", afirmou um porta-voz da polícia holandesa quando a distribuição dos calendários foi anunciada.

As autoridades esperam que os reclusos saibam detalhes até então desconhecidos sobre estes casos ou que tenham ouvido outros detidos a falar sobre os mesmos. O calendário estará disponível em holandês, árabe, espanhol, inglês e russo e há uma recompensa de 800 mil euros para pistas que resultem numa condenação.

"Claro que há pessoas que não querem o calendário ou que não querem ficar conhecidas como chibos", disse Jeroen Hammer, criador do calendário, "mas a nossa experiência mostra que quase dois terços dos prisioneiros acha que o calendário é uma boa ideia".

A polícia afirma que os reclusos podem dar as pistas anonimamente e que não é um crime não revelar informações sobre um crime, logo não devem temer contrapartidas judiciais. "Não devem ter medo de serem julgados por divulgarem informações" muito tempo depois do crime, disse o porta-voz da polícia, citado pelo The Guardian.

Os calendários inspiram-se no sistema judicial dos Estados Unidos, que distribui em alguns estados baralhos de cartas com dados sobre casos não resolvidos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.