Avança primeira central nuclear egípcia

Vladimir Putin e Abdel Fattah al-Sissi assinaram esta segunda-feira o contrato final. A obra será financiada quase inteiramente pela Rússia

Numa conferência de imprensa conjunta com o presidente russo, Vladimir Putin, o chefe de Estado egípcio, Abdel Fattah al-Sissi, afirmou que se acordou "construir a central nuclear em Dabaa", no norte do Egito, adiantando que os ministros competentes de ambos os países foram encarregados de concretizar os projetos.

O contrato ratifica o acordo feito pelos dois países em novembro de 2015 para construir quatro reatores de 1.200 megawatts cada. A primeira unidade deve começar a funcionar em 2024, de acordo com a agência noticiosa russa TASS, citada pela Lusa.

O projeto deve custar 30 mil milhões de dólares (25,4 mil milhões de euros), segundo a imprensa egípcia, e Moscovo emprestará 25 mil milhões de dólares (21,2 mil milhões de euros) ao Egito.

Putin, cuja anterior visita ao Egito ocorreu em fevereiro de 2015, chegou esta segunda-feira ao Cairo após uma visita surpresa a uma base aérea na Síria e após algumas horas no país partiu para a Turquia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".