Avança primeira central nuclear egípcia

Vladimir Putin e Abdel Fattah al-Sissi assinaram esta segunda-feira o contrato final. A obra será financiada quase inteiramente pela Rússia

Numa conferência de imprensa conjunta com o presidente russo, Vladimir Putin, o chefe de Estado egípcio, Abdel Fattah al-Sissi, afirmou que se acordou "construir a central nuclear em Dabaa", no norte do Egito, adiantando que os ministros competentes de ambos os países foram encarregados de concretizar os projetos.

O contrato ratifica o acordo feito pelos dois países em novembro de 2015 para construir quatro reatores de 1.200 megawatts cada. A primeira unidade deve começar a funcionar em 2024, de acordo com a agência noticiosa russa TASS, citada pela Lusa.

O projeto deve custar 30 mil milhões de dólares (25,4 mil milhões de euros), segundo a imprensa egípcia, e Moscovo emprestará 25 mil milhões de dólares (21,2 mil milhões de euros) ao Egito.

Putin, cuja anterior visita ao Egito ocorreu em fevereiro de 2015, chegou esta segunda-feira ao Cairo após uma visita surpresa a uma base aérea na Síria e após algumas horas no país partiu para a Turquia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).