Caçadores furtivos devorados por leões na África do Sul

Proprietário da reserva de Sibuya não consegue indicar quantos caçadores seriam, indicando que foi encontra "roupa para três pessoas"

Pelo menos três caçadores furtivos na pista de rinocerontes foram devorados por leões numa reserva de caça privada no sudeste da África do Sul, disse esta quinta-feira o proprietário da reserva.

Armados com uma espingarda e um machado, os caçadores entraram na reserva de Sibuya na manhã de segunda-feira e foram encontrados desmembrados na manhã seguinte, declarou à agência France Presse Nick Fox.

O proprietário da reserva contou que os homens terão dado por si no meio de um grupo grande de leões e que "não terão tido muito tempo para reagir".

"Não sabemos exatamente quantos eram" os caçadores, disse ainda, adiantando que foi encontrada "roupa para três pessoas".

Milhares de rinocerontes são abatidos anualmente em África devido aos seus chifres, muito populares entre os adeptos da medicina tradicional na China e no Vietname.

Apenas restam 5.000 rinocerontes negros no continente africano, perto de 1.900 dos quais na África do Sul. O país conta também com cerca de 20.000 rinocerontes brancos, cerca de 80% da população mundial.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.