Cabo Daciolo. Candidato jejua em monte porque diz que estão a tentar matá-lo

Candidato do Patriotas às presidenciais de outubro no Brasil diz-se perseguido por seitas e pela nova ordem mundial. Para ele a eleição é uma guerra no plano espiritual.

"Glória a Deus." Cabo Daciolo, candidato à presidência da República pelo Patriotas, gravou ontem, com a ajuda do tablet da filha, um vídeo de 15 minutos num monte, algures no Brasil, onde está a jejuar. Para o candidato, que inicia os seus discursos invariavelmente com a expressão "Glória a Deus", a nova ordem mundial e algumas seitas estão a tentar matá-lo. "Mas aqui não toca, só com autorização divina", diz a páginas tantas.

Daciolo, que foi uma das surpresas do primeiro debate entre candidatos na TV Bandeirantes na última sexta-feira, considera as eleições brasileiras "uma guerra espiritual". "Não tem como lutar contra esse sistema de forma natural, eles querem se perpetuar no poder, eles atropelam quem estiver na frente deles mas só que eles estão lutando contra um servo do Deus vivo, os illuminati e a maçonaria vão sair da nação brasileira, a nação brasileira é do senhor Jesus Cristo."

Veja o vídeo:

No plano terreno, disse que vai manter o Bolsa Família, programa social desenvolvido durante o governo de Lula da Silva, e que não vai reformar o falido sistema previdenciário brasileiro, tema que promete aquecer os debates de campanha. "Não, a Previdência é superavitária", sentenciou.

Daciolo, que é cabo dos bombeiros, tornou-se conhecido em 2012 ao liderar uma greve da sua categoria no Rio de Janeiro. O seu nome ainda não foi incluído em nenhuma sondagem.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.