Cabo Daciolo. Candidato jejua em monte porque diz que estão a tentar matá-lo

Candidato do Patriotas às presidenciais de outubro no Brasil diz-se perseguido por seitas e pela nova ordem mundial. Para ele a eleição é uma guerra no plano espiritual.

"Glória a Deus." Cabo Daciolo, candidato à presidência da República pelo Patriotas, gravou ontem, com a ajuda do tablet da filha, um vídeo de 15 minutos num monte, algures no Brasil, onde está a jejuar. Para o candidato, que inicia os seus discursos invariavelmente com a expressão "Glória a Deus", a nova ordem mundial e algumas seitas estão a tentar matá-lo. "Mas aqui não toca, só com autorização divina", diz a páginas tantas.

Daciolo, que foi uma das surpresas do primeiro debate entre candidatos na TV Bandeirantes na última sexta-feira, considera as eleições brasileiras "uma guerra espiritual". "Não tem como lutar contra esse sistema de forma natural, eles querem se perpetuar no poder, eles atropelam quem estiver na frente deles mas só que eles estão lutando contra um servo do Deus vivo, os illuminati e a maçonaria vão sair da nação brasileira, a nação brasileira é do senhor Jesus Cristo."

Veja o vídeo:

No plano terreno, disse que vai manter o Bolsa Família, programa social desenvolvido durante o governo de Lula da Silva, e que não vai reformar o falido sistema previdenciário brasileiro, tema que promete aquecer os debates de campanha. "Não, a Previdência é superavitária", sentenciou.

Daciolo, que é cabo dos bombeiros, tornou-se conhecido em 2012 ao liderar uma greve da sua categoria no Rio de Janeiro. O seu nome ainda não foi incluído em nenhuma sondagem.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.