Bush pai admite que votou em Hillary. E chama "fanfarrão" a Trump

Livro com entrevistas com os dois Bush presidentes encerra duras críticas às políticas e à personalidade do atual dirigente do país.

No dia em que Donald Trump iniciou a mais longa viagem pela Ásia desde a deslocação de George Bush pai no início de 1992, foram revelados alguns extratos de um livro de entrevistas a Bush sénior e ao seu filho e também presidente George W. Bush, em que ambos desferem contundentes críticas ao atual residente na Casa Branca. Acusam-no de estar a destruir o partido republicano, de ser incompetente e Bush pai chega ao ponto de o qualificar como "fanfarrão" e de reconhecer ter votado em Hillary Clinton nas presidenciais de 2016.

Intitulado The Last Republicans - Inside the Extraordinary Relationship between George H.W. Bush and George W. Bush (Os Últimos Republicanos - Por dentro da Extraordinária Relação entre George H.W. Bush e George W. Bush) e da autoria do historiador Mark K. Updegrove, o livro resulta de uma série de entrevistas realizadas com os dois presidentes republicanos ao longo da primeira metade de 2016. Numa altura em que nenhum dos dois pensava na vitória de Trump. Mas há também declarações feitas já após a vitória do candidato republicano em novembro.

O 41.º e o 43.º presidentes dos Estados Unidos não são comedidos nas palavras, com Bush pai a desferir as mais violentas críticas, considerando Trump "egocêntrico", "fanfarrão" e afirmando-se "nada contente" por este liderar hoje os EUA. Sendo a cereja no topo do bolo o admitir publicamente ter votado em Hillary. Coisa que George W. Bush não fez, respondendo secamente não ter votado em ninguém em 2016.

Mas Bush júnior não poupa críticas a Trump, afirmando que os valores de seu pai e de Ronald Reagan "são em tudo contrastantes com os do partido republicano hoje e, em particular, com o programa" do atual presidente, que "é essencialmente uma plataforma protecionista e de uma certa xenofobia".

Em declarações à CNN, Updegrove considerou coerentes e politicamente consistentes as posições defendidas pelos dois Bush. "Donald Trump é tudo aquilo que a família Bush não é. George Bush cresceu a pensar no bem comum, Trump é claramente um narcisista."

Ambos mostraram-se ainda preocupados com o futuro do partido, com Bush júnior a considerar que o percurso de Trump irá destruir "a ideia do que é um presidente republicano". Se até final do dia Trump não divulgara qualquer comentário sobre o livro, que estará à venda nos EUA, a partir do próximo dia 14, a Casa Branca divulgou um comunicado notando que, "se um candidato presidencial pode pôr em causa um partido, isso diz tudo sobre o legado real daqueles dois presidentes". A mesma nota classifica a decisão de Bush filho em desencadear a segunda guerra contra o Iraque como "um dos maiores erros de política externa na história" dos EUA.

Ler mais

Exclusivos