Burlou avô em 45 mil euros e fez-lhe crer que tinha um tumor cerebral

Neta controlava todas as contas bancárias do avô e até a medicação, que lhe dava em doses diferentes das que tinham sido prescritas

O Ministério Público do Principado das Astúrias pediu esta segunda-feira um ano e nove meses de prisão para uma mulher acusada de burlar o próprio avô. A arguida fez o idoso acreditar que sofria de um tumor cerebral e convenceu-o a dar-lhe 45 mil euros para um tratamento que lhe permitiria curar-se.

De acordo com o procurador, citado pelo El País, a neta controlava todas as contas bancárias do avô e inclusivamente a medicação que o idoso tomava, dando orientações à cuidadora que contratara para que o avô tomasse os medicamentos que ela julgava necessários, em doses diferentes das que tinham sido prescritas pelo médico.

O homem faleceu entretanto, com 94 anos, tendo tomado no dia em que morreu uma combinação de benzodiazepinas com barbitúricos. As substâncias, que têm efeito sedativo, provocaram efeitos secundários nas vias respiratórias do idoso, que acabou por morrer, ainda que não lhe tivessem diretamente provocado a morte.

Em 2014, o homem começara com sintomas de depressão devido à morte da mulher. Logo em fevereiro desse ano, sofreu uma queda e a neta aproveitou para o mudar de localidade, para junto dela, tendo-o privado dos contactos com outros familiares. E ainda que o homem muitas vezes se negasse a tomar a medicação, a acusada terá chegado a prendê-lo com um lençol e com os braços para o obrigar a tomar os comprimidos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.