Bulgária pede apoio de agência europeia para reforçar controlo na fronteira turca

País pediu à Agência Europeia de Controlo das Fronteiras Externas que envie 200 agentes adicionais, que devem chegar até ao final da semana

A Bulgária pediu à Agência Europeia de Controlo das Fronteiras Externas (Frontex) o envio de 200 agentes adicionais para reforçar o acompanhamento da sua fronteira com a Turquia, depois de detetar um aumento do fluxo migratório.

"Pedimos à agência Frontex que envie cerca de 200 agentes adicionais que devem chegar até o final da semana, com [veículos] todo o terreno e câmaras termográficas", informou hoje o diretor da Polícia de fronteira, Antonio Angelov, num comunicado publicado na página na internet do ministério que tutela esta área na Bulgária.

No último fim de semana, já foram enviados 150 agentes para apoiar os polícias e militares que vigiam o limite territorial com a Turquia.

Segundo as autoridades búlgaras, desde o início de agosto, o número de tentativas de entrada ilegal no país a partir da Turquia duplicou para uma média de 200 por dia, depois da média de cerca de uma centena registada em julho.

Antonio Angelov precisou que 1.858 migrantes foram detidos ao tentar passar ilegalmente a fronteira, em agosto, a que se acrescentam mais 140 detetados nas últimas 24 horas, aumentando para 30 mil o total deste ano.

No comunicado também é referido o lançamento de uma operação policial para prevenir a migração e o tráfico de pessoas, centrada no controlo de veículos de carga e pequenos autocarros.

A Bulgária receia que o seu território seja utilizado como alternativa à rota dos balcãs - que passa pela Grécia, Macedónia, Sérvia, Hungria, Croácia, Eslovénia e Áustria -, através da qual, no último ano, se deslocaram dezenas de milhares de refugiados que fugiam dos violentos conflitos no Médio Oriente e pretendiam obter asilo na Alemanha e outros países do norte da Europa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.