Bruxelas responde à Hungria e diz que "não paga cercas nem barreiras" nas fronteiras

A Hungria pediu a Bruxelas um reembolso de metade dos 800 milhões de euros que afirma ter gastado na proteção das fronteiras externas

A Comissão Europeia afirmou hoje que "não financia a construção de barreiras ou cercas nas suas fronteiras externas", numa resposta a um pedido de 400 milhões de euros da Hungria, metade do que gastou nos anos de crise migratória.

"Não financiamos a construção de cercas ou barreiras nas fronteiras externas. O que fazemos é apoiar medidas de gestão fronteiriça nas fronteiras externas, que podem ser medidas de vigilância ou equipamento de controlo de fronteira. Mas cercas, nós não financiamos", declarou hoje um porta-voz comunitário. "Não vamos mudar a nossa posição" sobre este assunto, realçou.

A Hungria pediu a Bruxelas um reembolso de metade dos 800 milhões de euros que afirma ter gastado na proteção das fronteiras externas, devido aos piores anos da crise migratória.

O pedido foi feito numa carta dirigida ao presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, revelou quinta-feira o ministro húngaro da Governação, János Lázár, em declarações à imprensa do seu país.

János Lázár explicou que o seu país espera "solidariedade" de Bruxelas no sentido de cobrir os gastos que a Hungria teve a "defender" as fronteiras exteriores da zona Schengen.

"A Hungria defende a segurança dos cidadãos europeus dos refugiados. A solidariedade deveria manifestar-se na prática", afirmou Lázár.

O ministro estimou em 800 milhões de euros o custo da construção, em 2015, das cercas de proteção ao longo da fronteira com a Sérvia e a Croácia, pelo que o montante solicitado a Bruxelas corresponde a metade dos gastos.

O governo do conservador Orban decidiu erguer as cercas no momento mais crítico da crise dos refugiados, quando a fronteira entre a Hungria e os seus vizinhos do sul fazia parte da "rota dos Balcãs", atravessada por centenas de milhares de refugiados que tinham como destino os países mais ricos da UE, como a Alemanha ou a Suécia.

As cercas húngaras, bem como as duras leis adotadas pelo governo em Budapeste para impedir a imigração ilegal - com penas de prisão até cinco anos por atravessar a fronteira -, foram muito criticadas por vários países da UE, organizações internacionais e organizações não-governamentais.

A Comissão Europeia recordou hoje que a Hungria já recebeu um apoio europeu por causa das suas fronteiras externas, estando disponível para estudar, apenas, um reforço desse apoio.

"Se a Hungria pede agora um apoio suplementar, a Comissão está pronta a examinar rapidamente esse pedido", disse uma outra porta-voz comunitária, citada pela agência France-Presse.

No entanto, sublinhou, "a solidariedade é uma via com dois sentidos".

"Não é uma refeição à carta", realçou.

A Hungria destacou-se nos últimos anos por mover uma oposição frontal à política migratória da UE, nomeadamente ao recusar-se a receber refugiados da Grécia e da Itália no âmbito de um plano de relocalização criado em 2015.

O primeiro-ministro húngaro, o conservador de extrema-direita Viktor Orban, tem relacionado o fluxo de refugiados sírios para a Europa com o aumento dos casos de atentados terroristas.

No verão de 2015, Orban mandou construir uma cerca de arame farpado ao longo de 175 quilómetros da fronteira com a Sérvia (sul), e depois ao longo da fronteira com a Croácia.

Em 2017, Budapeste ordenou a construção de uma segunda cerca com segurança na fronteira com a Sérvia, paralela ao arame farpado e dotada de câmaras de vigilância com visão térmica e um sistema de alarme.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.