Bruxelas prevê acordo técnico sobre ajuda financeira à Grécia

Duas coisas estão excluídas: 'haircuts' e mudanças fundamentais ao programa de resgate

O comissário europeu responsável pelo Euro, Valdis Dombrovskis, informou hoje, através do Twitter, que um acordo sobre a ajuda financeira à Grécia, no quadro do terceiro resgate, poderá ser alcançado "nos próximos dias" a nível do grupo de trabalho técnico.

Na rede social, o vice-presidente da Comissão referiu que o acordo deverá incluir o mecanismo de contingência, numa declaração após uma reunião extraordinário do Eurogrupo, em Bruxelas.

Dombrovskis acrescentou, no Twitter, que haverá discussões sobre os termos da dívida de Atenas a curto, médio e longo prazo, esperando-se uma discussão na próxima reunião dos ministros da zona euro, a 24 de maio.

Na conferência final, o presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, comentou que as aprovações de reformas pelo parlamento grego, no domingo, "abrem caminho para terminar com sucesso a primeira revisão" do regaste acordado no verão de 2015.

O ministro holandês das Finanças precisou que o Grupo de Trabalho do Euro foi mandatado para aprofundar as discussões sobre a dívida e enumerou desde já "duas linhas vermelhas" para um acordo: "'haircuts' e mudanças fundamentais ao programa" estão excluídos.

Os credores (União Europeia e Fundo Monetário Internacional) acordaram em julho de 2015 um terceiro pacote de auxílio à Grécia, envolvendo empréstimos de 86 mil milhões de euros, mas a continuidade dos pagamentos foi condicionada a reformas que o governo de Alexis Tsipras deveria implementar.

Exclusivos

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?