Bruxelas manda prender sem abrigo para os salvar do frio

Capital belga tem registado temperaturas de dez graus abaixo de zero. Várias cidades do país estão a adotar o modelo que quer evitar mortes por hipotermia

As temperaturas extremamente frias que estão a atingir a Europa levaram à adoção de medidas extraordinárias em Bruxelas. Uma ordem municipal, que perdura até 8 de março, permite que os agentes da autoridade prendam os sem abrigo para evitar que estes morram vítimas de hipotermia.

Na capital belga, os termómetros têm marcado 10 graus abaixo de zero e a comuna de Etterbeek foi pioneira em recorrer à polícia para salvar as vidas das pessoas que dormem na rua. Entre as 20h00 e as 7h00 da manhã, qualquer sem-abrigo que permaneça na rua e se recuse a ser transferido para um abrigo pode ser detido, conta o El País.

A medida tem suscitado críticas, nomeadamente de ONGs, mas já foi adotada por outras cidades belgas, além da capital, onde se estima que 3.000 pessoas vivam nas ruas. Villa de Bruselas, Verviers, Liège ou Namur são outras das cidades que estão a imitar o modelo de Etterbeek.

"Se alguém estiver deitado nos carris do comboio, temos a obrigação de ajudar". A mesma lógica se aplica a temperaturas de 10 graus abaixo de zero ", explicou ao jornal espanhol Vincent De Wolf, autarca de Etterbeek.

"Como é que se decide que a situação é crítica? E se estiverem menos quatro, menos seis, menos 15 graus?", é a pergunta da Front Commun SDF, uma ONG que trabalha com indigentes e que se opõe à decisão.

"É um escândalo se morrerem de frio, à noite, mas se morrem num outro momento, nada acontece", criticam. A ONG receia que os sem abrigo que evitam os abrigos se se escondam em novos locais onde os assistentes sociais não os podem ajudar, pelo que a medida, em vez de proteger, pode colocar os indigentes em amior risco. Alegam ainda que foi uma medida improvisada.

Exclusivos