Bruxelas expressa condolências ao Japão pelos 11 mortos causados pelo tufão Jebi

Ciclone trouxe chuvas torrenciais e ventos fortes e causou vários danos, especialmente em Osaka

A Comissão Europeia endereçou esta quarta-feira condolências ao povo e autoridades do Japão, onde pelo menos 11 pessoas morreram e centenas ficaram feridas na sequência do tufão Jebi, e mostrou-se disponível para ajudar.

"A Comissão Europeia quer expressar as condolências ao povo japonês, às autoridades, à família e amigos daqueles que perderam os seus entes queridos ou que foram afetados pelo tufão Jebi. Reiteramos a nossa solidariedade para com o Japão, e estamos preparados para providenciar assistência", disse o porta-voz do executivo comunitário, Margaritis Schinas, na conferência de imprensa diária da instituição.

Pelo menos 11 pessoas morreram e centenas ficaram feridas no Japão, na sequência do tufão Jebi, considerado o mais violento a atingir diretamente o arquipélago em 25 anos, informou a televisão pública NHK.

"Este tufão causou sérios danos, especialmente na região de Osaka", disse hoje o primeiro-ministro nipónico, Shinzo Abe, que prometeu "o máximo de esforços para resolver a situação e reabilitar as infraestruturas".

A passagem do ciclone trouxe chuvas torrenciais e ventos fortes, com rajadas que atingiram nalguns locais os 220 quilómetros/hora.

O Jebi, o vigésimo primeiro tufão desta temporada no Pacífico, foi catalogado como "muito forte" pela Agência Meteorológica do Japão, o primeiro com esta intensidade a chegar ao arquipélago desde 1993.

Uma grande parte do oeste do Japão foi atingida no início de julho por fortes inundações e deslizamentos de terra que resultaram na morte de mais de 200 pessoas e milhares de desalojados, naquele que foi considerado o mais grave desastre meteorológico no país desde 1982.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.