Bruxelas diz que decisão sobre novas sanções à Rússia tem que ser dos 28

UE renovou, por mais seis meses, sanções já impostas contra russos por causa do conflito na Ucrânia. Porém, novas sanções, por causa do caso Skripal no Reino Unido, terão que ser aprovadas pelos governos dos 28

A UE renovou esta quarta-feira, por seis meses, as sanções contra 154 pessoas e 44 entidades, na maioria russas, envolvidas na desestabilização e no conflito da Ucrânia. Alexander Zakharchenko, líder dos rebeldes ucranianos pró-russos, foi retirado da lista por ter sido morto numa explosão num café de Donetsk a semana passada.

Apesar disto, avisou esta quinta-feira a Comissão Europeia, quaisquer novas sanções contra Moscovo, por causa do envenenamento do ex-espião russo Sergei Skripal (e da filha deste) no Reino Unido, em março, terão que ser aprovadas pelos governos dos 28 Estados membros da União Europeia.

Países como Áustria e Itália são altamente relutantes em impor novas sanções à Rússia e até têm vindo a promover o estreitamento de laços com o país liderado pelo presidente Vladimir Putin. A ministra dos Negócios Estrangeiros austríaca chegou, inclusivamente, a convidar o chefe do Estado russo para o seu casamento.

Na quarta-feira o Reino Unido acusou dois agentes da secreta militar russa pelo envenenamento dos Skripal com gás nervoso Novichok, desenvolvido no tempo da União Soviética, tendo previsto apresentar hoje provas na ONU. Os Skripal foram hospitalizados mas sobreviveram ao ataque.

O ministro para a Segurança britânico, Ben Wallace, apontou o dedo diretamente a Putin. "Em última instância, evidentemente, ele é o responsável. Ele (Vladimir Putin) é o dirigente do Estado", afirmou, esta quinta-feira de manhã, o responsável do governo de Theresa May, em entrevista à estação BBC Radio 4.

A tensão entre o Reino Unido e a Rússia volta, assim, a subir. E a poucos dias do início do maior exercício militar da Rússia desde o tempo da Guerra Fria. "As manobras não são dirigidas contra outros países e estão em linha com a nossa doutrina militar, que é de natureza defensiva", declarou Valery Gerasimov, chefe do estado maior das Forças Armadas da Rússia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.