Bruxelas corta fundo das pescas para 6,14 mil ME no orçamento 2021-2027

A proposta hoje apresentada prevê a simplificação dos apoios à pesca e à economia marítima na União Europeia (UE)

A Comissão Europeia propôs hoje a inscrição de uma verba de 6,14 mil milhões de euros no orçamento plurianual 2021-2027 para o setor das pescas, abaixo dos 6,5 mil milhões do quadro em vigor.

A dotação hoje proposta para o Fundo Europeu dos Assuntos Marítimos e das Pescas (FEAMP) prevê a simplificação dos apoios à pesca e à economia marítima na União Europeia (UE), atribuindo particular importância ao apoio aos pequenos pescadores costeiros, cujos navios tenham comprimento inferior a 12 metros, os quais representam metade dos postos de trabalho europeus no setor das pescas.

Segundo um comunicado, desde a reforma da política comum das pescas de 2014, têm-se realizado progressos na reposição das unidades populacionais de peixes em níveis saudáveis, no aumento da rendibilidade do setor das pescas da UE e na conservação dos ecossistemas marinhos.

No que respeita à economia marítima, o fundo marítimo permitirá o investimento em novos mercados, serviços e tecnologias marítimos, como a energia oceânica e a biotecnologia marinha.

As comunidades costeiras receberão apoio para a criação de parcerias locais e para transferências de tecnologia em todos os setores da economia azul, incluindo a aquicultura e o turismo costeiro.

A proposta do FEAMP para 2021-2027 prevê uma simplificação e maior flexibilidade para os Estados-membros, que passam a poder orientar o apoio para as suas prioridades, e uma melhor orientação do apoio para o cumprimento dos objetivos da política comum das pescas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.