Bruxelas contra decisão belga de cobrar taxa a jornalistas em cimeiras

Medida entre em vigor a partir da próxima cimeira de chefes de Estado e Governo, prevista para o dia 18 de outubro

A Comissão Europeia manifestou esta quarta-feira a sua oposição à decisão do Governo belga de cobrar uma taxa de 50 euros aos jornalistas belgas e aos jornalistas estrangeiros radicados na Bélgica que se credenciem para cimeiras em Bruxelas.

"A Comissão Europeia não gosta da legislação belga que entrou em vigor a 01 de junho. A Comissão não introduzirá esta taxa", começou por vincar a porta-voz do executivo comunitário, na conferência de imprensa diária da instituição.

Mina Andreeva esclareceu que a Comissão Europeia discorda da taxa, por acreditar que "os jornalistas devem fazer o seu trabalho nas melhores condições possíveis".

"Partilho as vossas preocupações. Não é algo que a Comissão apoie. Cada indivíduo pode apresentar queixa à Comissão, que a avaliará. Se recebermos queixas, temos mecanismos para analisá-las com base na lei", sublinhou.

Os jornalistas belgas e os jornalistas estrangeiros com residência na Bélgica devem pagar uma taxa de 50 euros ao Governo belga, de modo a poderem acompanhar as cimeiras europeias em Bruxelas, indica o Conselho Europeu na página do seu sítio oficial dedicada às acreditações

O Governo belga instaurou uma tarifa de 50 euros para suportar os gastos gerados pelos controlos de segurança exigidos para o acesso a "locais sensíveis", incluindo o edifício do Conselho Europeu em Bruxelas, onde decorrem as reuniões semestrais dos líderes dos 28. A taxa, com a acreditação, será válida durante seis meses.

O Parlamento belga aprovou esta taxa em 23 de fevereiro, mas os meios de comunicação só foram informados da sua entrada em vigor em 01 de junho, durante o processo de renovação das suas acreditações semestrais para as cimeiras europeias, tendo o tema suscitado polémica em Bruxelas durante a última terça-feira.

A medida será efetiva a partir da próxima cimeira de chefes de Estado e Governo, agendada para 18 de outubro.

De acordo com dados do Conselho Europeu, entre 1.200 e 1.300 jornalistas pedem acreditação para as cimeiras europeias, 700 dos quais são belgas ou estrangeiros com residência na Bélgica.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.