Mayor de Londres pede novo referendo sobre o brexit

Sadiq Khan disse estar "cada vez mais alarmado pela caótica" situação das negociações com Bruxelas

O presidente da câmara de Londres, o trabalhista Sadiq Khan, pediu este domingo a realização de um segundo referendo sobre a saída do Reino Unido da União Europeia, criticando as negociações do Governo britânico sobre o 'Brexit'.

Num artigo publicado no jornal The Observer, o 'mayor' de Londres considera que o Reino Unido enfrenta duas opções, a seis meses do 'Brexit': um "mau acordo" ou "nenhum acordo".

Na opinião do político trabalhista, o atual debate sobre a saída do Reino Unido da União Europeia (UE) está centrado nas ambições políticas do ex-ministro dos Negócios Estrangeiros Boris Johnson quando devia estar focado na importância de se encontrar um pacto com a UE.

Sadiq Khan reconheceu nunca ter imaginado pedir a convocatória de um segundo referendo, mas indica estar "cada vez mais alarmado pela caótica" situação das negociações com Bruxelas, rodeadas de "confusão e em ponto morto".

Por isso, o presidente da câmara de Londres considera que é necessário "um voto da população sobre qualquer acordo sobre o 'Brexit' alcançado pelo Governo, ou uma votação, no caso de não haver acordo, juntamente com a opção de permanecer na UE".

Na sexta-feira, o ministro britânico para o 'Brexit', Dominic Raab, destacou os progressos feitos para encontrar "soluções viáveis" para um acordo de saída do Reino Unido, apesar da divergência em alguns pontos.

"Embora ainda persistam algumas diferenças substanciais que precisamos resolver, está claro que as nossas equipas estão a aproximar-se de soluções viáveis para as questões pendentes no Acordo de Retirada, e estão a ter discussões produtivas no espírito certo sobre o relacionamento futuro", adiantou Raab, num comunicado.

Uma nova avaliação sobre as negociações será feita após a reunião informal de chefes de Estado ou de Governo da União Europeia, em Salzburgo, na quinta-feira.

A saída oficial do Reino Unido da União Europeia está marcada para 29 de março de 2019, mas continua incerta a forma da relação entre ambos depois dessa data.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.