Mayor de Londres pede novo referendo sobre o brexit

Sadiq Khan disse estar "cada vez mais alarmado pela caótica" situação das negociações com Bruxelas

O presidente da câmara de Londres, o trabalhista Sadiq Khan, pediu este domingo a realização de um segundo referendo sobre a saída do Reino Unido da União Europeia, criticando as negociações do Governo britânico sobre o 'Brexit'.

Num artigo publicado no jornal The Observer, o 'mayor' de Londres considera que o Reino Unido enfrenta duas opções, a seis meses do 'Brexit': um "mau acordo" ou "nenhum acordo".

Na opinião do político trabalhista, o atual debate sobre a saída do Reino Unido da União Europeia (UE) está centrado nas ambições políticas do ex-ministro dos Negócios Estrangeiros Boris Johnson quando devia estar focado na importância de se encontrar um pacto com a UE.

Sadiq Khan reconheceu nunca ter imaginado pedir a convocatória de um segundo referendo, mas indica estar "cada vez mais alarmado pela caótica" situação das negociações com Bruxelas, rodeadas de "confusão e em ponto morto".

Por isso, o presidente da câmara de Londres considera que é necessário "um voto da população sobre qualquer acordo sobre o 'Brexit' alcançado pelo Governo, ou uma votação, no caso de não haver acordo, juntamente com a opção de permanecer na UE".

Na sexta-feira, o ministro britânico para o 'Brexit', Dominic Raab, destacou os progressos feitos para encontrar "soluções viáveis" para um acordo de saída do Reino Unido, apesar da divergência em alguns pontos.

"Embora ainda persistam algumas diferenças substanciais que precisamos resolver, está claro que as nossas equipas estão a aproximar-se de soluções viáveis para as questões pendentes no Acordo de Retirada, e estão a ter discussões produtivas no espírito certo sobre o relacionamento futuro", adiantou Raab, num comunicado.

Uma nova avaliação sobre as negociações será feita após a reunião informal de chefes de Estado ou de Governo da União Europeia, em Salzburgo, na quinta-feira.

A saída oficial do Reino Unido da União Europeia está marcada para 29 de março de 2019, mas continua incerta a forma da relação entre ambos depois dessa data.

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."