Mayor de Londres pede novo referendo sobre o brexit

Sadiq Khan disse estar "cada vez mais alarmado pela caótica" situação das negociações com Bruxelas

O presidente da câmara de Londres, o trabalhista Sadiq Khan, pediu este domingo a realização de um segundo referendo sobre a saída do Reino Unido da União Europeia, criticando as negociações do Governo britânico sobre o 'Brexit'.

Num artigo publicado no jornal The Observer, o 'mayor' de Londres considera que o Reino Unido enfrenta duas opções, a seis meses do 'Brexit': um "mau acordo" ou "nenhum acordo".

Na opinião do político trabalhista, o atual debate sobre a saída do Reino Unido da União Europeia (UE) está centrado nas ambições políticas do ex-ministro dos Negócios Estrangeiros Boris Johnson quando devia estar focado na importância de se encontrar um pacto com a UE.

Sadiq Khan reconheceu nunca ter imaginado pedir a convocatória de um segundo referendo, mas indica estar "cada vez mais alarmado pela caótica" situação das negociações com Bruxelas, rodeadas de "confusão e em ponto morto".

Por isso, o presidente da câmara de Londres considera que é necessário "um voto da população sobre qualquer acordo sobre o 'Brexit' alcançado pelo Governo, ou uma votação, no caso de não haver acordo, juntamente com a opção de permanecer na UE".

Na sexta-feira, o ministro britânico para o 'Brexit', Dominic Raab, destacou os progressos feitos para encontrar "soluções viáveis" para um acordo de saída do Reino Unido, apesar da divergência em alguns pontos.

"Embora ainda persistam algumas diferenças substanciais que precisamos resolver, está claro que as nossas equipas estão a aproximar-se de soluções viáveis para as questões pendentes no Acordo de Retirada, e estão a ter discussões produtivas no espírito certo sobre o relacionamento futuro", adiantou Raab, num comunicado.

Uma nova avaliação sobre as negociações será feita após a reunião informal de chefes de Estado ou de Governo da União Europeia, em Salzburgo, na quinta-feira.

A saída oficial do Reino Unido da União Europeia está marcada para 29 de março de 2019, mas continua incerta a forma da relação entre ambos depois dessa data.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.