Theresa May atualiza deputados a dois dias de nova votação

Primeira-ministra britânica volta hoje ao Parlamento. Na quinta-feira há mais uma votação que poderá ser usada para influenciar o Brexit

A intervenção de Theresa May, um dia antes do previsto, foi antecipada para dar aos deputados mais tempo para prepararem propostas que, embora não sejam vinculativas, podem influenciar os planos do governo.

A declaração vai servir para informar sobre o resultado de uma série de encontros com líderes europeus na semana passada, nomeadamente os presidentes da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, do Parlamento Europeu, Antonio Tajani, e do Conselho Europeu, Donald Tusk, e o homólogo irlandês, Leo Varadkar.

Antes, May visitou a Irlanda do Norte, onde se encontrou com dirigentes políticos e empresários e reiterou o compromisso de encontrar uma solução para a fronteira com a Irlanda que permita a circulação de bens, pessoas e serviços, tal como preveem os acordos de paz para a província britânica.

Na segunda-feira, May tornou também pública uma carta ao líder da oposição, Jeremy Corbyn, onde rejeita a oferta de apoio do líder trabalhista para desbloquear o processo do 'Brexit' se o governo negociar uma união aduaneira "permanente e abrangente" com a UE.

Porém, mostrou-se aberta a mais negociações com Corbyn para encontrar um consenso.

A primeira-ministra mantém-se empenhada em convencer os líderes europeus a aceitar uma alternativa à solução de salvaguarda, conhecida como 'backstop', para evitar uma fronteira com controlos na Irlanda do Norte com a vizinha europeia.

A solução prevista no Acordo de Saída negociado entre o governo e Bruxelas será ativada se não estiver concluído um novo acordo comercial após o período de transição, no final de 2020, mantendo o Reino Unido na união aduaneira europeia e a Irlanda do Norte sujeita a certas regras do mercado único.

Conservadores eurocéticos e o Partido Democrata Unionista (DUP) opõem-se, alegando que existe o risco de ficar em vigor por tempo indeterminado e de forçar a Irlanda do Norte a cumprir um quadro regulatório diferente do resto do país.

Entre as opções que têm sido discutidas estão o uso de tecnologia, a introdução de um prazo para a aplicação do 'backstop' ou uma forma de o Reino Unido poder revogar unilateralmente a cláusula.

Na segunda-feira, antes de um encontro com o ministro britânico para o 'Brexit', Stephen Barclay, o negociador-chefe da dos 27, Michel Barnier, disse que ainda não é possível ver uma "maioria clara e estável" no parlamento britânico para um plano que também respeite as condições da UE.

A menos que os deputados aprovem um acordo ou a data de saída seja adiada, o Reino Unido vai sair da UE a 29 de março sem um período de transição, passando a pagar tarifas sobre as exportações para a UE, as quais passam a ser sujeitas a controlos aduaneiros mais morosos.

A trabalhista Yvette Cooper admitiu renovar uma proposta, rejeitada a 29 de janeiro, para dar aos deputados a possibilidade de obrigar May a pedir aos líderes europeus uma extensão do artigo 50.º e adiar a data do 'Brexit'.

No mesmo dia também ficou explicito que existe uma maioria no parlamento britânico contra uma saída sem acordo, refletida na aprovação da emenda proposta pela conservadora Caroline Spelman contra esta hipótese.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.