Sucessora de Merkel pede a britânicos que fiquem na UE

Personalidades alemãs, como a líder da União Democrata-Cristã (CDU), Annegret Kramp-Karrenbauer, pediram aos britânicos que não deixem a União Europeia (UE), numa carta divulgada esta sexta-feira.

Na carta, publicada no jornal britânico "The Times", os signatários referiram que sem o Reino Unido, o continente europeu "não seria o que é hoje: uma comunidade definida pela liberdade e prosperidade", e afirmam que os britânicos sempre terão amigos na Alemanha.

"De todo o nosso coração, queremos que vocês fiquem", lê-se na carta, que inclui o empresário alemão Tom Enders, o ex-jogador de futebol Jens Lehmann e vários políticos.

"Depois dos horrores da Segunda Guerra Mundial, o Reino Unido não nos abandonou, acolheu a Alemanha como um país soberano e uma potência europeia, e nós, como alemães, não nos esquecemos e somos gratos", acrescentaram.

Embora os britânicos tenham votado a favor da saída da UE no referendo de junho de 2016, o Reino Unido "sempre terá amigos na Alemanha e na Europa", e a opção de retornar à comunidade permanecerá aberta, diz o documento.

"Sentiremos falta do Reino Unido, sentiremos falta do lendário senso de humor negro britânico e de irmos ao 'pub' depois do horário de trabalho para tomar uma cerveja, teremos saudades de tomar chá com leite e dirigir à esquerda na estrada", acrescentam os alemães.

"Mas mais do que tudo, sentiremos falta do povo britânico, nossos amigos do outro lado do Canal" de La Mancha, dizem.

Annegret Kramp-Karrenbauer, conhecida como AKK, foi eleita líder do CDU em dezembro, partido até então encabeçado pela chanceler alemã, podendo ser a provável sucessora da chanceler alemã Angela Merkel.

O Reino Unido planeia retirar-se da UE a 29 de março, embora ainda não esteja claro em que termos, após o Parlamento britânico, ter rejeitado o acordo negociado entre o Governo de Theresa May e o bloco europeu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.