Opositores ao Brexit ponderam criar novo partido político

James Chapman, ex-assessor do ministro para o Brexit, tem sido uma voz crítica do processo de saída do Reino Unido da UE

Opositores da saída do Reino Unido da União Europeia (UE) estão a ponderar a criação de um partido político anti-Brexit.

James Chapman, antigo assessor do ministro para o Brexit, David Davis, é atualmente uma das vozes mais críticas da saída do país da UE.

Em declarações à imprensa nos últimos dias, Chapman tem defendido a criação de um novo partido político centrista, uma vez que tanto os Conservadores, no poder, como os Trabalhistas, na oposição, têm afirmado que vão em frente com o processo de saída.

"Há atualmente um enorme espaço ao centro na política britânica" que podia ser preenchido por uma força anti-Brexit, disse Chapman.

Segundo o ex-assessor, "pessoas muito interessantes", incluindo dois membros do governo da primeira-ministra Theresa May, contactaram-no para manifestar apoio à ideia.

O ex-primeiro-ministro trabalhista Tony Blair (1997-2007) também apelou recentemente para uma união dos políticos pró-europeus dos vários partidos britânicos.

Chapman, um antigo jornalista que integrou o gabinete de David Davis até junho, escreveu esta semana no Twitter que "o Brexit é uma catástrofe" e pediu aos "deputados sensatos" que revertam o processo de saída da UE.

Chapman sugeriu que o novo partido se chame Democratas, apesar de vários políticos sustentarem que o Brexit foi uma escolha democrática dos eleitores britânicos, consagrada no referendo de junho de 2016, e seria errado ignorar essa escolha.

O Reino Unido está atualmente a negociar a saída da UE, para o que dispõe de um prazo de dois anos, a contar da data em que acionou formalmente o artigo 50.º do Tratado de Lisboa, em março.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

70 anos depois

Desde 2016 que os dois principais aliados atlânticos de Portugal estão numa deriva deslegitimadora das duas organizações pilares das democracias europeias. Reino Unido e EUA têm infligido uma pressão colossal na UE e na NATO, enquanto protagonizam um triste espetáculo interno de autoflagelação política. Até quando será suportável aguentar tudo isto em simultâneo? Em ano de pressão eleitoral, estaremos conscientes dos seus efeitos sistémicos?

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?