Ministro britânico admite "risco muito real" de saída sem acordo

Jeremy Hunt acredita numa progressão económica do Reino Unido, mas receia uma possível alteração das atitudes públicas britânicas perante a Europa

O ministro dos Negócios Estrangeiros britânico, Jeremy Hunt, avisou esta segunda-feira que existe um "risco muito real" de o Reino Unido abandonar o bloco comunitário sem um acordo de saída, resultado da posição dura tomada pela União Europeia (UE).

"Isto porque acredito que muitas pessoas na UE pensam que só têm de esperar o tempo suficiente para que o Reino Unido pestaneje", disse Hunt, assegurando que "tal não irá acontecer".

Entre Bruxelas e Londres mantêm-se grandes divergências em relação aos termos de um novo acordo comercial e à regulação da única fronteira terrestre do país com a UE, entre a Irlanda do Norte, território que faz parte do Reino Unido, e a República da Irlanda.

A primeira-ministra britânica, Theresa May, tem enfrentado divisões dentro do próprio núcleo duro do governo entre adeptos de um 'Brexit' "suave" que garanta o acesso ao mercado único ou união aduaneira e ministros que querem um divórcio mais radical que ofereça maior liberdade para negociar acordos comerciais com países terceiros.

Durante a sua primeira visita bilateral enquanto ministro dos Negócios Estrangeiros, Hunt afirmou que "a Alemanha não é só um dos melhores amigos do Reino Unido na Europa", mas também no mundo.

O ministro insistiu que a visita à Alemanha não foi uma "ofensiva de charme", no entanto, acredita-se que Londres procura conquistar os líderes da maior economia da Europa, de modo a assegurar uma saída limpa do bloco comunitário.

"Sem uma verdadeira hipótese de abordagem dos negociadores da UE, existe agora um risco muito real de um 'Brexit' sem acordo de saída por acidente. E isso será incrivelmente difícil em termos económicos", indicou Hunt.

Hunt acredita que, nesse caso, o Reino Unido conseguirá sobreviver e prosperar economicamente, apesar da dificuldade, mas expressou receio de uma possível alteração das atitudes públicas britânicas para com a Europa.

O ministro alemão reiterou que a Alemanha "não quer um 'Brexit' desorganizado", mas sim, um acordo, admitindo, no entanto, que serão necessárias novas negociações para atingir soluções práticas na questão da fronteira irlandesa.

Heiko Maas, ministro dos Negócios Estrangeiros alemão, recusou comentar a ameaça feita pelo novo ministro do 'Brexit', Dominic Raab, que anunciou o condicionamento do pagamento da fatura de 39 mil milhões de libras (43,8 mil milhões de euros) a Bruxelas, caso não chegue a acordo com a UE.

O parlamento da UE, bem como os parlamentos nacionais do Reino Unido e das nações europeias, têm de ratificar o acordo antes da saída do país em março de 2019.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.