May está "otimista" sobre acordo mas admite haver "caminho a percorrer"

A primeira-ministra britânica, Theresa May

Theresa May acredita estar "perto de um acordo" com a UE em que Reino Unido e países-membros beneficiem

A primeira-ministra britânica, Theresa May, reconheceu esta sexta-feira, em Bruxelas, que há ainda "caminho a percorrer" nas negociações do Brexit, mas disse-se otimista no que respeita a conseguir um "bom acordo" pós-divórcio.

"A cooperação entre o Reino Unido e a União Europeia (UE) não acaba em março de 2019", sublinhou May, numa conferência de imprensa após o final da primeira sessão de trabalhos do Conselho Europeu, que termina esta sexta-feira.

"Estou otimista no que respeita a chegarmos a um bom acordo e os restantes líderes europeus também acreditam que é possível", sublinhou.

No que respeita aos direitos dos cidadãos, a primeira-ministra britânica salientou acreditar estar "perto de um acordo" com a UE que beneficie as duas partes.

"Os cidadãos europeus deram um enorme contributo para o nosso país e, aconteça o que acontecer, queremos que eles e as suas famílias fiquem" no Reino Unido, disse.

No que respeita à Irlanda do Norte, Londres e Bruxelas concordam que o Acordo de Belfast deve ser a base de qualquer decisão, adiantando que ambas as partes concordam que "não deve ser criada uma fronteira física" com a Irlanda do Norte.

Sobre a chamada 'fatura de saída', May disse que o acerto de contas completo será integrado num acordo final sobre a futura parceria com a UE.

"No atual quadro orçamental, ninguém deve estar preocupado, no que respeita aos compromissos, estamos a analisá-los linha a linha", adiantou.

"Até dezembro [data da próxima cimeira europeia], vamos trabalhar nos temas em que estamos perto de um acordo", disse ainda.

Os líderes europeus reunidos em Bruxelas deram hoje "luz verde" aos preparativos internos da UE a 27 para a passagem à segunda fase das negociações do Brexit em dezembro, caso sejam alcançados os progressos suficientes nos próximos dois meses.

Relacionadas

Últimas notícias

No seu gabinete na embaixada portuguesa em Washington, Domingos Fezas Vital explica ao DN que a emigração portuguesa é o seu "maior aliado nos EUA", pelo conhecimento que tem da realidade americana e pela imagem que passa do nosso país. No 2012 da Massachusetts Avenue, o embaixador afirma que "os americanos estão a descobrir Portugal" e que "o turismo é um catalisador para os negócios". Quanto ao futuro da base das Lajes, o diplomata acredita que uma coisa é o debate interno americano, outra são os projetos portugueses como o Air Center ou o Centro de Segurança do Atlântico.

Partilhar

Brand Story

Tui

Mais popular

  • no dn.pt
  • Mundo
Pub
Pub