Brexit: Londres quer novo tratado de segurança com a UE

Tratado visa manter cooperação na luta antiterrorista. Segunda-feira será publicado documento de trabalho com posições do Reino Unido

O governo britânico afirmou hoje querer concluir com Bruxelas um novo tratado de segurança que permita manter a cooperação na luta antiterrorista, depois da saída do Reino Unido da UE (Brexit).

"Um tratado que estabeleça uma base legal para manter a cooperação policial, de segurança e penal após a nossa saída da UE", explicou o governo de Theresa May, num comunicado difundido antes da publicação na segunda-feira de um documento trabalho sobre esta questão.

Um dos objetivos deste tratado é evitar o aparecimento de "lacunas operacionais" após o Brexit, previsto em março de 2019, acrescentou.

O documento de trabalho, que vai incluir posições sobre a futura relação alfandegária com a UE, a fronteira da Irlanda do Norte ou a cooperação em matéria de Defesa, deverá apresentar a posição de Londres sobre a sua manutenção, ou não, na Europol, a agência que apoia os países da UE na luta contra a grande criminalidade internacional e o terrorismo.

"Uma cooperação internacional eficaz é absolutamente crucial para o Reino Unido e para a UE, se quisermos manter os nossos cidadãos em segurança e levar os criminosos à justiça", declarou o ministro encarregado do Brexit, David Davis, no mesmo comunicado.

"Temos já um nível aprofundado de colaboração com a UE nas questões de segurança e é de interesse mútuo encontrar os meios para melhorar", acrescentou.

A primeira-ministra britânica, Theresa May, deverá falar sobre o Brexit a 22 de setembro, em Florença (Itália), três dias antes do início, a 25 de setembro, da quarta ronda de negociações com Bruxelas sobre a saída do país.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.