Londres e Bruxelas ainda sem "acordo completo" sobre divórcio

"Não é um fracasso, é o começo do último round", disse Jean-Claude Juncker

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, disse esta segunda-feira que ainda não foi alcançado um acordo sobre os termos da saída do Reino Unido da União Europeia (UE), apesar de um "entendimento comum" na maioria dos assuntos.

"Apesar dos nossos melhores esforços e do significativo progresso alcançado nas últimas semanas, não foi possível chegar a um acordo completo hoje", disse Juncker numa conferência de imprensa conjunta com a primeira-ministra britânica, Theresa May, após um almoço de trabalho que se prolongou por cerca de quatro horas.

O presidente do executivo europeu afirmou no entanto que, em face desse "significativo progresso", está confiante na conclusão de um acordo antes da cimeira de 15 e 16 de dezembro, na qual vai ser decidido se as negociações passam -- ou não -- à segunda fase.

"Não é um fracasso, é o começo do último round", disse.

May e Juncker reuniram-se hoje para tentar fechar um acordo sobre a primeira fase das negociações do Brexit que permita passar à negociação da segunda, relativa à futura relação comercial entre o Reino Unido e a UE e ao período de transição após o Brexit.

Três questões são decisivas nesta primeira fase: a fronteira entre a Irlanda do Norte, território britânico que deixa de ser território da UE, e a República da Irlanda, que continua a ser um Estado membro, os direitos dos cidadãos europeus a residir no Reino Unido e dos britânicos a residir noutros Estados membros e as obrigações financeiras do Reino Unido para com Bruxelas.

Theresa May disse por seu lado que as negociações vão ser retomadas "antes do final da semana" e declarou-se igualmente confiante numa "conclusão positiva" em breve.

Persistem "diferenças" sobre "duas ou três questões", admitiu May.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".