May vai contratar até cinco mil pessoas para preparar 'brexit'

Londres acelera preparativos para saída da União Europeia, um processo que já custou cerca de 662 milhões de libras

O Governo britânico anunciou esta terça-feira planos para acelerar o processo de saída da União Europeia e a contratação de 3000 a 5 000 pessoas em 2018 para serviços envolvidos na avaliação e aplicação do 'Brexit'.

Essas contratações poderão elevar até 8.000 o número de pessoas contratadas para o processo de saída, incluindo 300 advogados, a trabalhar em diferentes departamentos governamentais.

Até ao momento, segundo o ministro para o 'Brexit', David Davis, o Reino Unido já gastou 662 milhões de libras (753 milhões de euros) neste processo.

Numa reunião do governo hoje em Londres, Davis disse aos outros membros do executivo que "os trabalhos preparatórios aceleraram de maneira significativa nos últimos meses", segundo um porta-voz da primeira-ministra, Theresa May.

Os vários Ministérios estão atualmente a redigir "planos de aplicação" do 'Brexit' em cerca de 300 áreas, preparando "o país para diferentes soluções negociadas possíveis ou para um cenário de ausência de acordo", explicou.

"Esses planos incluem, por exemplo, prazos de execução detalhados, nomeadamente para recrutar e formar novos funcionários, elaborar e fornecer sistemas informáticos e fazer as alterações legislativas e regulamentares necessárias", precisou o porta-voz.

A primeira-ministra, disse, está confiante num acordo com os 27 sobre a relação futura do Reino Unido com a UE depois do 'Brexit', previsto para março de 2019, apesar das divergências dentro do próprio governo sobre a estratégia a seguir.

Mas os planos incluem a hipótese de um fracasso nas negociações.

"Esses planos evoluem e são permanentemente melhorados para assegurar a máxima proteção desde o primeiro dia de 'Brexit'", disse.

O governo publicou na segunda-feira uma lista de 58 setores económicos nos quais avaliou o impacto do 'Brexit', sem contudo divulgar o resultado das avaliações.

Esses setores, que representam cerca de 88% da economia britânica, vão da agricultura à publicidade, passando pela farmacêutica, comércio, indústria aeroespacial e turismo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.