Líderes dos 27 aprovam abertura de segunda fase das negociações

A segunda fase das negociações vai incidir nas futuras relações entre a UE e o Reino Unido depois do Brexit

Os líderes da União Europeia (UE) a 27 deram hoje o aval para a abertura da segunda fase das negociações com o Reino Unido, anunciou o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, na rede social Twitter.

"Os líderes da UE concordaram em avançar para a segunda fase das negociações do 'Brexit'", escreveu Tusk no Twitter, dando os parabéns à primeira-ministra britânica, Theresa May.

Os 27 líderes europeus - hoje reunidos sem a presença de May -- seguiram, como previsto, a recomendação da Comissão Europeia, que há precisamente uma semana considerou terem sido alcançados "progressos suficientes" na primeira fase das negociações, relativas aos termos do "divórcio", designadamente nos domínios dos direitos dos cidadãos, "fatura" a pagar por Londres no quadro dos compromissos financeiros assumidos, e a questão da ausência de fronteira entre Irlanda e Irlanda do Norte.

O Parlamento Europeu aprovou, na quarta-feira, uma resolução que secundou o parecer da 'Comissão Juncker'.

A segunda fase das negociações vai incidir nas futuras relações entre a UE e o Reino Unido depois do 'divórcio' marcado para 29 de março de 2019, a que se segue um período de transição cujos termos terão também que ser definidos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.