Brexit: governo britânico mantém igual acesso dos estudantes europeus às universidades britânicas

Candidatos a cursos universitários que comecem em setembro de 2019 vão poder aceder a empréstimos para propinas

Os estudantes europeus, incluindo portugueses, vão continuar a ter acesso nas atuais condições às universidades britânicas depois da saída do Reino Unido da União Europeia, no próximo ano letivo, segundo o ministro da Educação britânico, Damian Hinds.

Os candidatos a cursos universitários que comecem em setembro de 2019 vão poder aceder aos empréstimos que pagam as propinas anuais de 9.250 libras (10.450 euros), o mesmo valor que pagam os estudantes britânicos, uma garantia que se estende até à conclusão.

"Os estudantes da União Europeia dão uma contribuição importante para o setor de universidades e é uma prova da qualidade do nosso sistema o facto de tantos estudantes estrangeiros escolherem vir estudar aqui. Hoje estamos a dar clareza e certeza sobre as propinas durante os seus cursos", afirmou Hinds, citado pela imprensa britânica antes de um anúncio oficial, esta tarde.

Enquanto cidadãos europeus, os estudantes dos 27 países da União Europeia têm beneficiado do acesso a licenciaturas e mestrados em igualdade de circunstância com os nacionais britânicos, incluindo a elegibilidade para empréstimos e bolsas de financiamento avalizadas pelo Governo britânico.

Estas bolsas cobrem a 100% as propinas universitárias, que podem chegar a 9.250 libras por ano, enquanto os estudantes extracomunitários pagam propinas que podem chegar às 35 mil libras (40.000 euros) anuais.

Os 'Tuition Fees Loans' [Empréstimos para Propinas de Estudo] são empréstimos que cobrem a totalidade do custo das propinas pagas pelo estado britânico diretamente à instituição de ensino, valor que os estudantes se comprometem a reembolsar após o final do curso, quando o salário mensal estiver acima das 2.083 libras (2.355 euros), ou seja, 25 mil libras anuais (28 mil euros).

Ao valor total é aplicada ainda uma taxa de juro que ronda os 6%, cujo cálculo soma a taxa de inflação de 3% ao valor fixo de 3%.

Um relatório do Serviço de Admissão às Universidades e Colégios (UCAS, na sigla inglesa) publicado em novembro do ano passado indicava que o número de candidatos europeus a licenciaturas aceites em universidades britânicas tinha caído este ano pela primeira vez desde 2012, para 24.565.

Apesar da redução de estudantes de países como Alemanha, Itália, Irlanda ou Eslovénia, Portugal foi o país europeu que registou o maior aumento de novos estudantes universitários no Reino Unido este ano letivo, 1.200 em 2017/18, mais 230 (24%) do que em 2016/17, quando foram matriculados 970 estudantes portugueses.

Segundo o UCAS, o número de estudantes portugueses nas universidades britânicas triplicou desde 2012, tendo disparado 36% de 2014/15 para 2015/16 e 21% de 2015/16 para 2016/17.

Porém, a continuidade do acesso a este tipo de condições de estudo no ensino superior britânico ainda deverá ser definido nas negociações que continuam sobre as relações entre o Reino Unido e a União Europeia após o brexit.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.