Brexit é irrevogável? A Supermulher acha que não

Madeleina Kay tem 24 anos e é contra o brexit. Para travá-lo, está disposta a tudo. Até a andar vestida na rua de Supermulher a defender a permanência do Reino Unido na UE. A ousadia resulta: as pessoas param, falam com ela. Os media entrevistam-na. E até já ganhou o Prémio de Jovem Europeu 2018.

Madeleina Kay descreve-se como uma rapariga numa missão: travar o brexit. Desde que o "Sim" venceu o "Não" por menos de 2% (por 51,8% contra 48,11%) no referendo de 26 de junho de 2016, esta inglesa de Sheffield, de 24 anos, decidiu que iria fazer tudo o que estivesse ao seu alcance para corrigir o que classifica como um erro. Começou então a fazer campanha contra a saída do Reino Unido da União Europeia, vestindo disfarces de personagens de livros de super-heróis, como a Supermulher.

"Tenho várias personagens que encarno e vários fatos que costumo vestir. Já me vesti de Pirata, Mulher Maravilha, Amazona, etc... Faço isso basicamente para chamar a atenção do público e dos media para a nossa campanha. Quando estou vestida com os disfarces, as pessoas param-me na rua, falam comigo. Eu escrevo e ilustro livros infantis. Embora a Supermulher não seja uma das personagens dos meus livros e eu também não tenha por hábito ler muitos livros de comics, usei a personagem da Supermulher por ser muito conhecida, as pessoas reconhecem-na de imediato. Quando veem a Supermulher a bandeira da UE param, falam, algumas para dizer que odeiam a bandeira da UE. Mas a verdade é que nós todos precisamos de falar", conta ao DN, por telefone, a ativista.

Quando em outubro de 2017 foi expulsa da sala de conferências de imprensa da Comissão Europeia, no edifício Berlaymont, era o fato de Supermulher que tinha vestido. "Eu comecei a escrever um blogue (albawhitewolf) sobre este tema e esse foi o blogue que ganhou o concurso de blogues da Comissão Europeia (EUinmyRegion Blog Contest). Foi por isso que fui a Bruxelas. E tinha passe de imprensa para ir à conferência de imprensa. Como apareci vestida com o fato, eles tiveram medo e expulsaram-me. E depois isso passou a ser uma história que apareceu nas notícias".

Estudante do curso de arquitetura paisagística na universidade de Sheffield, cuja frequência interrompeu para se dedicar à luta contra o brexit, Madeleina Kay diz ter o apoio da família. No caso do pai, que é professor de matemática na universidade, o apoio é de 100%. "Ele é professor de matemática na universidade em Sheffield. Então ele está bastante consciente do dano que o brexit vai fazer às universidades, à investigação. Ele é muito liberal e quer travar o brexit tanto como eu", explica a defensora da permanência do Reino Unido na UE.

Costuma dizer que o brexit não é irrevogável? Porquê? Como tenciona travá-lo? "Temos em aberto vários canais para tentar travar o brexit, que é uma coisa que eu realmente acho que temos que fazer, porque é algo mau para o nosso país. Temos várias campanhas, com várias organizações, em várias sentidos O referendo não era vinculativo e, por isso, tem que ser votado pelos deputados, depois de as negociações terminarem. Uma das formas de travar o brexit é fazendo lobbie junto dos deputados para vetarem o acordo que for conseguido entre Londres e a UE. Temos esperança no Labour, nos liberais-democratas e nos rebeldes dos Tories [Partido Conservador da primeira-ministra Theresa May] para votarem contra o acordo. Os eleitores, nas suas circunscrições, podem fazer lobbie junto dos deputados".

Outra das coisas que está a ser feita, sublinha, é contestar legalmente o processo do brexit. Uma das questões em causa é a denúncia feita por informáticos sobre o recurso a empresas ligadas à extinta Cambridge Analytics para tentar influenciar o resultado do referendo. "A campanha do Vote Leave violou as regras de financiamento, como de resto já constatou a Comissão Eleitoral. Eles dizem que o brexit é o resultado da democracia. Mas como podemos nós ter democracia quando é tudo baseado em mentiras e numa manipulação levada a cabo através das redes sociais e de gigantes da tecnologia? Eu penso que as alegações sobre a Cambrigde Analytics não vão conseguir anular o brexit, mas é preciso lembrar às pessoas que a campanha do Vote Leave foi corrupta e não democrática", assinala.

A maior campanha em que participa neste momento, diz, é a do People's Vote. Foi lançada em abril deste ano com o objetivo de unir todos os grupos anti-brexit e exigir um voto dos cidadãos sobre o acordo final. Não só dos deputados. Mas de todos os britânicos. Sir Patrick Stewart, que fazia de Professor X no X-Men, é também um dos rostos do People's Vote.

Mas e se, como já algumas pessoas começam a falar, mesmo que em surdina, não houver acordo nenhum entre Londres e a UE na hora de sair. Mais propriamente às 23.00 do dia 29 de março de 2019. "Bem... neste momento estamos a trabalhar na base de que há acordo, mas se não houver acordo então o voto será sobre se saímos desordenadamente ou se ficamos na UE. Se houver um acordo, o voto popular seria para responder sobre três opções, pelo menos: aceitamos o acordo, rejeitamos o acordo ou continuamos na UE".

A ousadia de Madeleina Kay, que também faz músicas sobre o brexit no seu canal de Youtube, valeu-lhe este ano o Prémio de Jovem Europeu 2018. A distinção é atribuída anualmente desde 1997 pela Schwarzkopf Foundation com o apoio do Parlamento Europeu. "Atribuíram-me o prémio por causa da criatividade, dedicação - só faço isto - e abordagem alternativa que eu uso para promover a UE. Faço músicas sobre a UE. Ninguém faz isso", afirma, entre risos. E constata: "Sou uma rapariga numa missão".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.