Brexit e Irlanda: há "risco de fracasso", diz Bernier

Bruxelas rejeitou novamente as propostas do Reino Unido em relação à fronteira irlandesa

O negociador da UE disse que ainda há um "risco de fracasso" nas negociações relacionadas ao Brexit, depois de Bruxelas ter rejeitado de novo as propostas do Reino Unido para evitar uma "fronteira difícil" com a Irlanda.

Michel Barnier disse esta sexta-feira que ainda falta fazer "um quarto do trabalho" necessário para completar os preparativos para o Reino Unido deixar a UE em março de 2019. "Há sempre dificuldades e riscos de um fracasso", reconheceu Barnier.

Um porta-voz do Governo britânico disse, também esta sexta-feira, que o Reino Unido não reconhece que os seus planos para a fronteira irlandesa foram submetidos a uma "aniquilação sistemática" pelas autoridades da UE na reunião desta semana com o principal negociador da Grã-Bretanha, Olly Robbins.

O Daily Telegraph citou fontes diplomáticas da UE que referem que Bruxelas deixou claro que "nenhuma das opções [para a fronteira] do Reino Unido funcionará - nenhuma delas".

Fontes citadas pelo The Guardian dizem ainda que as notícias de que Barnier suspendeu as negociações internas sobre o futuro acordo comercial UE-Reino Unido até que a questão irlandesa seja resolvida estão incorretas.

Segundo o mesmo jornal, a equipa da UE encarregue da negociação está frustrada porque pouco mudou do lado britânico, desde agosto do ano passado, quando foram rejeitadas as propostas do Reino Unido.

A Grã-Bretanha propunha uma nova "parceria alfandegária simplificada" que envolvia "equivalência regulatória" em ambos os lados da fronteira, com a opção para a futura "divergência" - algo que a UE rejeitou justificando que era impraticável.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.