Aumentam os pedidos de passaporte britânico por cidadãos residentes na UE

O maior número de pedidos foi verificado em França

O Reino Unido registou um aumento significativo do número de pedidos de passaporte britânico por parte de cidadãos que vivem noutros países da União Europeia, em consequência do 'Brexit', noticia hoje o Financial Times (FT).

O diário económico, que cita dados do serviço britânico de registos de passaporte, avança que 13.700 pessoas a viver fora do Reino Unido e dentro do espaço comunitário pediram o seu primeiro passaporte britânico em 2016, número que representa um aumento de cerca de 35% em comparação com o registo em 2015.

O maior número de pedidos foi verificado em França, onde 2.369 cidadãos solicitaram o passaporte britânico no ano passado, numa subida de 28% em relação a 2015 e na Alemanha o número de pedidos -- 2.140 - aumentou 60% no mesmo período.

O FT assinala que o aumento de pedidos de passaporte foi particularmente notável em julho último, no mês seguinte à realização do referendo histórico no Reino Unido, em 23 de junho, em que os britânicos escolheram abandonar a União Europeia.

O diário britânico indica que as petições terão sido interpostas provavelmente por pessoas que tinham o direito ao passaporte britânico e nunca, até agora, o tinham pedido, como pessoas nascidas dentro no espaço da UE, com um ou dois progenitores britânicos.

Cerca de dois terços dos pedidos são relativos a menores de idade.

O futuro dos cidadãos de países membros da UE a residir atualmente no Reino Unido e o dos britânicos a viver no espaço comunitário constitui um dos assuntos mais sensíveis e potencialmente mais complicados por resolver nas próximas negociações do 'Brexit'.

O FT dá ainda conta do movimento de pedidos de nacionalidade britânica de entre os três milhões de cidadãos comunitários a viver no Reino Unido, assim como de um aumento significativo do número de cidadãos britânicos que pediram a nacionalidade irlandesa depois do referendo.

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.