Novo governador do Rio de Janeiro diz que o correto é "matar os bandidos"

O recém-eleito governador Wilson Witzel afirmou esta quinta-feira que a medida correta para combater a criminalidade no Estado é matar os "bandidos que estejam de arma".

"O correto é matar o bandido que está de fuzil. A polícia vai fazer o correto: vai mirar na cabecinha e... fogo! Para não ter erro", afirmou à imprensa brasileira o governador eleito, que é também ex-juiz federal.

Com um discurso apoiado no combate à corrupção e ao tráfico de drogas, além da promessa de promover o desenvolvimento económico, Wilson Witzel, do Partido Social Cristão (PSC), reafirmou que os polícias que matarem os criminosos portadores de arma não devem ser responsabilizados "em hipótese alguma".

Segundo Witzel, a autorização para o "abate", caso seja oficializada, não aumentará as mortes no Estado do Rio de Janeiro, mas reduzirá o número "de bandidos de fuzil em circulação".

O Rio de Janeiro é um dos Estados brasileiros com maior índice de mortes por criminalidade, com cerca de 500 registadas por mês, ou 16 assassinatos por dia, segundo a revista brasileira "Isto é".

O novo governador aproveitou ainda para chamar os seus antecessores no governo do Rio de Janeiro de "constelação de pilantras" e afirmou que vai pedir à futura gestão Jair Bolsonaro a permanência das Forças Armadas no estado, até outubro de 2019, um aumento de dez meses além do prazo do decreto da intervenção federal na segurança.

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.