Novo governador do Rio de Janeiro diz que o correto é "matar os bandidos"

O recém-eleito governador Wilson Witzel afirmou esta quinta-feira que a medida correta para combater a criminalidade no Estado é matar os "bandidos que estejam de arma".

"O correto é matar o bandido que está de fuzil. A polícia vai fazer o correto: vai mirar na cabecinha e... fogo! Para não ter erro", afirmou à imprensa brasileira o governador eleito, que é também ex-juiz federal.

Com um discurso apoiado no combate à corrupção e ao tráfico de drogas, além da promessa de promover o desenvolvimento económico, Wilson Witzel, do Partido Social Cristão (PSC), reafirmou que os polícias que matarem os criminosos portadores de arma não devem ser responsabilizados "em hipótese alguma".

Segundo Witzel, a autorização para o "abate", caso seja oficializada, não aumentará as mortes no Estado do Rio de Janeiro, mas reduzirá o número "de bandidos de fuzil em circulação".

O Rio de Janeiro é um dos Estados brasileiros com maior índice de mortes por criminalidade, com cerca de 500 registadas por mês, ou 16 assassinatos por dia, segundo a revista brasileira "Isto é".

O novo governador aproveitou ainda para chamar os seus antecessores no governo do Rio de Janeiro de "constelação de pilantras" e afirmou que vai pedir à futura gestão Jair Bolsonaro a permanência das Forças Armadas no estado, até outubro de 2019, um aumento de dez meses além do prazo do decreto da intervenção federal na segurança.

Ler mais

Exclusivos