Brasileiros exigem expulsão de venezuelanos e fecho da fronteira em Roraima

Dezenas de pessoas reuniram-se em cortejo no bairro do Jardim Floresta antes do enterro do pintor brasileiro Manoel Siqueira de Sousa, de 35 anos, que morreu após ter sido esfaqueado ao procurar impedir a fuga de um venezuelano

Um protesto organizado no sábado por brasileiros nas ruas da cidade de Boa Vista, capital de Roraima, pediu o fecho da fronteira e a expulsão dos venezuelanos após a morte de duas pessoas na última quinta-feira.

Dezenas de pessoas reuniram-se em cortejo no bairro do Jardim Floresta antes do enterro do pintor brasileiro Manoel Siqueira de Sousa, de 35 anos, que morreu após ter sido esfaqueado ao procurar impedir a fuga de um venezuelano, Rodrigues, 21 anos, que também acabou linchado depois de ter tentado furtar uma lata de leite condensado num comércio local.

Antes de levarem o corpo do brasileiro até um cemitério da cidade, um homem não identificado numa motocicleta ameaçou verbalmente os venezuelanos que vivem num acampamento no Jardim Floresta que, assustados, correram para um abrigo onde tentaram armar-se com paus e pedras caso fossem atacados.

Em comunicado, as forças do Exército brasileiro que comandam a Operação Acolhida, criada para atender os imigrantes venezuelanos que estão no estado brasileiro de Roraima, explicaram a confusão: "Às 11:00 da manhã (16:00 em Lisboa), todas as mulheres e crianças que estavam na rua, foram acolhidas na parte interna do abrigo Jardim Floresta. Os homens seriam alojados numa igreja próxima (...). No entanto (...) um homem numa motocicleta ameaçou verbalmente os imigrantes que se assustaram com o barulho do escape da moto e correram para o abrigo como forma de proteção".

"Em nenhum momento houve invasão do abrigo" e a ação de retirada destas pessoas da rua já estava a ser finalizada, acrescenta-se na nota.

Os venezuelanos ameaçados no sábado vivem em barracas num acampamento improvisado perto do abrigo Jardim Floresta. Na quinta-feira, no dia em que se registaram as duas mortes, alguns venezuelanos disseram à Lusa que tinham medo de sofrer represálias dos brasileiros.

O incidente agravou o clima da tensão e a hostilidade em Boa Vista, dez dias depois do Presidente do Brasil, Michel Temer, ter anunciado a mobilização de 3200 soldados para reforçar a segurança na região.

Há cerca de um mês, a cidade de Pacaraima, que fica na fronteira do Brasil com a Venezuela, viveu um dia de conflitos quando 1200 venezuelanos que moravam nas ruas foram expulsos após um assalto a um comerciante brasileiro.

De acordo com dados oficiais, desde 2017 entraram no Brasil 154 920 venezuelanos por via terrestre na cidade de Pacaraima, mas cerca de 79 402 deles já regressaram ao seu país.

Entre aqueles que decidiram permanecer no Brasil, cerca de 5 200 estão a viver em abrigos construídos em Boa Vista e dependem da ajuda humanitária do Governo brasileiro e da Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.