Mulher internada atingida por bala perdida no Brasil

As autoridades ainda não descobriram de onde poderá ter surgido o tiro. Mulher atingida está em risco de perder a visão.

Uma mulher de 61 anos, que estava internada num hospital privado no Rio de Janeiro, no Brasil, para ser operada à vesícula, foi atingida a tiro num olho por uma bala perdida, de acordo com a imprensa brasileira.

De acordo com jornal brasileiro Globo, a mulher foi atingida na madrugada de sábado, enquanto dormia, dentro de um dos maiores hospitais de Niterói, na região metropolitana do Rio de Janeiro.

Nas proximidades daquele estabelecimento hospitalar fica a comunidade Souza Soares, onde a polícia interveio, alegadamente no seguimento de uma festa. Familiares da vítima citados pelo Globo disseram que a mulher estava internada há 18 dias para fazer exames e depois ser submetida a uma operação à vesícula.

As mesmas fontes informaram que a paciente baleada foi operada após o tiro e está em estado grave, correndo o risco de perder a visão de um olho, mas estável.

Segundo explicaram, a bala entrou por baixo do olho direito, ficou alojada na parte de trás da cabeça e ainda não foi retirada por precaução.

O caso está agora a ser investigado pela polícia brasileira, que vai perceber de onde surgiu o tiro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.