Mulher internada atingida por bala perdida no Brasil

As autoridades ainda não descobriram de onde poderá ter surgido o tiro. Mulher atingida está em risco de perder a visão.

Uma mulher de 61 anos, que estava internada num hospital privado no Rio de Janeiro, no Brasil, para ser operada à vesícula, foi atingida a tiro num olho por uma bala perdida, de acordo com a imprensa brasileira.

De acordo com jornal brasileiro Globo, a mulher foi atingida na madrugada de sábado, enquanto dormia, dentro de um dos maiores hospitais de Niterói, na região metropolitana do Rio de Janeiro.

Nas proximidades daquele estabelecimento hospitalar fica a comunidade Souza Soares, onde a polícia interveio, alegadamente no seguimento de uma festa. Familiares da vítima citados pelo Globo disseram que a mulher estava internada há 18 dias para fazer exames e depois ser submetida a uma operação à vesícula.

As mesmas fontes informaram que a paciente baleada foi operada após o tiro e está em estado grave, correndo o risco de perder a visão de um olho, mas estável.

Segundo explicaram, a bala entrou por baixo do olho direito, ficou alojada na parte de trás da cabeça e ainda não foi retirada por precaução.

O caso está agora a ser investigado pela polícia brasileira, que vai perceber de onde surgiu o tiro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.