Quando irá Lula entregar-se à justiça? Talvez depois da missa

Imprensa noticia negociações para Lula se entregar à justiça

O ex Presidente do Brasil Lula da Silva deverá entregar-se hoje à justiça, findo o prazo decretado pelo juiz que ordenou a prisão, noticia hoje o jornal Folha de São Paulo.

De acordo com o jornal, Lula deverá entregar-se-á à Polícia Federal depois da missa em honra da mulher, Marisa Letícia, que morreu no ano passado.

Lula não se entregou no prazo estabelecido pelo juiz Sérgio Moro, até às 17:00 de sexta-feira, permanecendo na sede do Sindicato dos Metalúrgicos.

O juiz afirmou que está "vedada a utilização de algemas" em qualquer hipótese, escreve o Folha.

O Globo, por seu lado, dá conta de negociações entre a defesa do ex-presidente e as autoridades brasileiras, noticiando que Lula pode ser preso hoje.

Outra alternativa, afirma o Globo, é Lula ser levado para Curitiba na segunda-feira.

Lula decide ficar barricado no Sindicato dos Metalúrgicos

Lula da Silva decidiu partir para uma estratégia de confronto com Sergio Moro: em vez de se entregar na superintendência da polícia de Curitiba, como determinara na véspera o juiz da Operação Lava-Jato, o antigo presidente preferiu ficar rodeado de milhares de apoiantes, barricado no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC paulista, em São Bernardo do Campo, a mais de 400 quilómetros da cela que lhe foi reservada.

"Ele não vai de cabeça baixa para o matadouro", disse José Roberto Batocchio, um dos seus advogados, resumindo a estratégia do Partido dos Trabalhadores (PT). Com a guerra jurídica perdida, o PT apostou em ganhar a guerra mediática: como as imagens da sua detenção vão correr mundo e ficar na história do Brasil, seria preferível Lula ser levado, sob palavras de ordem e aplausos de apoiantes, do que entregar-se passivamente.

Ao longo do dia, essa estratégia de combate foi clara, com a defesa de Lula a usar de todos os recursos disponíveis: pediu habeas corpus ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), sem sucesso, e apelou até ao Comité de Direitos Humanos da ONU. Nas ruas, apesar de haver registo de estradas cortadas nalguns pontos do país, o único incidente mais grave foram pedradas e tinta encarnada atiradas ao prédio onde mora Carmen Lúcia, a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), em Belo Horizonte.

Lula, que dormiu num sofá do sindicato, das 02.30 às 07.00 e foi visitado pelos filhos, netos e alguns dos irmãos, ainda equacionou falar mas arrependeu-se. Preferiu continuar em maratonas de reuniões com aliados, incluindo a ex-presidente Dilma Rousseff, o provável plano B do Partido dos Trabalhadores (PT) para as eleições, Fernando Haddad, os líderes de movimentos sociais próximos ao partido e os seus assessores jurídicos.

As reações

Os outros pré-candidatos à eleição foram reagindo ao longo das últimas horas à detenção. "É o fim da impunidade", disse Geraldo Alckmin, candidato do Partido da Social Democracia Brasileira. Ciro Gomes, do Partido Democrático Trabalhista, de esquerda, disse que "não há justiça quando notórios corruptos do PSDB seguem intocáveis", concluiu. Em Portugal, Santos Silva, ministro dos Negócios Estrangeiros, considerou a democracia brasileira "suficientemente madura" para não confundir o processo judicial com as eleições.

Em Brasília, o Congresso Nacional teve atividade reduzida com a maioria dos deputados, apoiantes ou opositores de Lula, interessados no desenvolvimento da ação em São Bernardo. Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, políticos de relevo investigados ou acusados na Lava-Jato, sentiram-se "em pânico" com a notícia da prisão de Lula. Líderes relevantes, como o próprio presidente da República Michel Temer, do Movimento da Democracia Brasileira, e o senador do PSDB Aécio Neves, ao perderem o foro privilegiado a partir de 2019 por não terem cargo eletivo, ficam sob alçada de Moro e por isso mais perto de serem detidos. A notícia da prisão ontem de Paulo Preto, operador do PSDB em alegados negócios ilegais, serviu para aumentar a tensão.

Em São Paulo, a Ibovespa, bolsa de valores brasileira, a relativa euforia da véspera, motivada pela ordem de prisão, não teve sequência ontem: o mercado operou em baixa e o real até se desvalorizou face ao dólar e euro. Até no mercado livreiro houve consequências: A Verdade Vencerá, livro de Lula recém publicado, entrou na lista dos mais vendidos.

A cela de Lula

A cela à espera de Lula é uma sala no quarto andar da sede da polícia federal de Curitiba, inaugurada pelo próprio futuro detido em 2017, de 15 metros quadrados, duas janelas, casa de banho privativa, cama de solteiro, um armário e uma mesa. O antigo presidente terá direito a duas horas de banho de sol diárias em horários alternativos aos dos outros presos no local porque entre esses presos estão dois ex-amigos íntimos de Lula, hoje seus inimigos por o terem delatado: Léo Pinheiro, o presidente da OAS, a construtora que terá oferecido o tríplex a Lula, e Antonio Palocci, braço direito para a área económica do antigo presidente durante os seus mandatos.

O caso

Lula foi condenado inicialmente por Moro em julho de 2017 a nove anos e seis meses por posse de um apartamento tríplex no Guarujá, no litoral de São Paulo, supostamente oferecido pela OAS, beneficiária no escândalo da Petrobras. Recorreu e viu agravada a pena em segunda instância para 12 anos e um mês. No STJ voltou a ser derrotado para, quarta-feira, ver indeferido um habeas corpus no STF, que precipitou a sua prisão. Lula é réu em mais seis ações, quatro delas no âmbito da Lava-Jato, ou seja sob a alçada de Moro. Apesar de histórica, a decisão de Moro não é inédita: no Brasil já quatro ex-presidentes, Hermes da Fonseca (1922), Washington Luiz (1930), Artur Bernardes (1932 e 1939) e Juscelino Kubitschek (1968), foram detidos.

Os advogados do ex-presidente recorreram para o Supremo Tribunal Federal para tentar suspender a ordem de prisão e estão também a tentar negociar que Lula fique em São Paulo e não em Curitiba, noticia o Estadão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.

Premium

Opinião

Investimento estrangeiro também é dívida

Em Abril de 2015, por ocasião do 10.º aniversário da Fundação EDP, o então primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmava que Portugal "precisa de investimento externo como de pão para a boca". Não foi a primeira nem a última vez que a frase seria usada, mas naquele contexto tinha uma função evidente: justificar as privatizações realizadas nos anos precedentes, que se traduziram na perda de controlo nacional sobre grandes empresas de sectores estratégicos. A EDP é o caso mais óbvio, mas não é o único. A pergunta que ainda hoje devemos fazer é: o que ganha o país com isso?