'Borat' apanha Sarah Palin para a nova série "Quem é a América?"

O ator e comediante britânico Sacha Baron Cohen fingiu ser um veterano de cadeira de rodas para conseguir uma entrevista com a ex-candidata a vice-presidente dos EUA. E não terá sido a única a cair na armadilha.

"Sim, fomos enganadas. Apanhaste-me, Sacha. Agora sentes-te melhor?", escreveu a antiga candidata a vice-presidente dos EUA, Sarah Palin, no seu Facebook. A ex-governadora do Alasca confirmava assim ter sido uma das pessoas a cair na armadilha do ator e comediante britânico, Sacha Baron Cohen, famoso pelas suas personagens "Borat" ou "Ali G", que estreia neste fim de semana uma nova série: "Quem é a América?"

Palin apelidou o humor de Cohen de "mau" e "doente", indicando que foi contactada para dar uma entrevista para um documentário histórico de homenagem aos veteranos de guerra norte-americanos, para um programa da CBS/Showtime. "Para a minha entrevista, pediram-me a mim e à minha filha que viajássemos até onde Cohen (assumo) se tinha disfarçado de veterano dos EUA com deficiência, com cadeira de rodas falsa e tudo", escreveu.

"Por respeito ao que fui levada a acreditar ser uma discussão com alguém que tinha servido com uniforme, sentei-me para uma longa 'entrevista' cheia de desrespeito e sarcasmo hollywoodesco - mas finalmente disse que era suficiente e, literalmente, removi fisicamente o meu microfone e saí da sala, para desgosto de Cohen".

Dick Cheney assina "kit de waterboarding"

A nova série "Quem é a América?" (Who is America?) vai estrear nos EUA este domingo. São sete episódios de meia hora, filmados ao longo do último ano, que exploram a "diversidade de indivíduos, dos infames aos desconhecidos do espetro político e cultural, que povoam a nossa nação única".

Num dos vídeos que lança a série, o ex-vice-presidente Dick Cheney aparece a assinar um "kit de waterboarding", numa referência à tortura usada contra detidos em Guantánamo. Cheney assina um jarro de plástico, dizendo ser a primeira vez que o faz.

Nesta página de Twitter de Sacha Baron Cohen existe apenas uma outra mensagem, com outro vídeo. Nesse, o presidente Donald Trump aparece a criticar o humorista, cujas entrevistas na pele de Ali G, Borat Sagdiyev e o jornalista da moda Bruno inspiraram três filmes.

Doar o dinheiro

Após admitir que foi enganada, Palin desafia o humorista a doar o dinheiro que fizer com o seu novo programa aos veteranos. "Gozem com os políticos e personalidades públicas inocentes como quiserem, se conseguem dormir à noite, mas como ousam gozar com aqueles que lutaram e serviram o nosso país", questiona a ex-governadora do Alasca.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...