Dois ataques em Damasco fazem vários mortos e feridos

Ataques sucedem-se na capital síria

Uma segunda explosão, num restaurante na zona ocidental de Damasco, matou hoje várias pessoas, depois de um ataque suicida num tribunal no centro da capital síria ter feito mais de 30 mortos, noticiaram 'media' sírios.

"Um terrorista fez explodir um cinto de explosivos dentro de um restaurante da zona de Rabweh, oeste de Damasco, fazendo vários mortos e feridos", noticiou a agência SANA.

Horas antes, no centro de Damasco, um homem entrou num tribunal, no edifício do antigo palácio da justiça, e acionou os explosivos que levava presos ao tronco.

Um primeiro balanço da polícia dava conta da morte de 25 pessoas e ferimentos em dezenas de outras, mas dados divulgados depois pela ONG Observatório Sírio dos Direitos Humanos evocam pelo menos 39 mortos, entre os quais 24 civis.

Os ataques de hoje juntam-se a dois outros perpetrados em poucos dias em Damasco, depois de, no sábado, dois ataques coordenados terem morto pelo menos 40 pessoas.

Os ataques de sábado foram reivindicados pelo ramo sírio da Al-Qaeda, anteriormente conhecido como Frente al-Nosra.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.