Bombista suicida mata 19 pessoas no Afeganistão

O atentado ocorreu durante a visita do Presidente afegão à cidade de Jalalabad

Um bombista suicida fez-se explodir junto a um grupo de sikhs e hindus na cidade de Jalalabad, no Afeganistão, causando 19 mortos, numa altura em que o Presidente afegão visita a região.

Segundo disse à agência AP o general Ghulam Sanayee Stanekzai, chefe da polícia da província de Nangarhar, cinco outras pessoas ficaram feridas no ataque.

O porta-voz do governador da província, Ataullah Khogyani, confirmou à agência AFP o balanço de 19 mortos, precisando que "dez sikhs foram mortos". Já o diretor dos serviços de saúde da província aumentou o número de feridos para 20.

Segundo a agência Efe, que acrescenta ao resultado do ataque várias viaturas queimadas, o atacante imolou-se no centro da cidade.

A AFP indica que o ataque aconteceu junto a um mercado, situado num dos grandes cruzamentos de Jalalabad e não longe do palácio do governador.

A AP adianta que o grupo de sikhs e hindus se dirigia para o palácio, onde planeava encontrar-se com o Presidente afegão, Ashraf Ghani, que hoje está de visita oficial de dois dias à região de Nangarhar, que faz fronteira com o Paquistão e é reclamada como um bastião do Estado Islâmico.

Durante a visita, o chefe de Estado afegão reiterou a oferta de dialogar com os talibãs "onde quiserem", segundo noticiou a televisão afegã Tolo News.

O ataque ainda não foi reivindicado, mas os talibãs e o autoproclamado Estado Islâmico estão ativos na região. De maioria pashtun, Nangarhar serviu de refúgio ao ex-líder da Al-Qaida Osama bin Laden.

A pequena minoria sikh e hindu é discriminada e ostracizada há décadas no Afeganistão, onde conta com 20 mil membros, isto apesar de a Constituição lhes garantir um representante no parlamento. Esta não é a primeira vez que a comunidade é alvo de ataques, nomeadamente por parte de extremistas islâmicos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.