Bombista suicida mata 19 pessoas no Afeganistão

O atentado ocorreu durante a visita do Presidente afegão à cidade de Jalalabad

Um bombista suicida fez-se explodir junto a um grupo de sikhs e hindus na cidade de Jalalabad, no Afeganistão, causando 19 mortos, numa altura em que o Presidente afegão visita a região.

Segundo disse à agência AP o general Ghulam Sanayee Stanekzai, chefe da polícia da província de Nangarhar, cinco outras pessoas ficaram feridas no ataque.

O porta-voz do governador da província, Ataullah Khogyani, confirmou à agência AFP o balanço de 19 mortos, precisando que "dez sikhs foram mortos". Já o diretor dos serviços de saúde da província aumentou o número de feridos para 20.

Segundo a agência Efe, que acrescenta ao resultado do ataque várias viaturas queimadas, o atacante imolou-se no centro da cidade.

A AFP indica que o ataque aconteceu junto a um mercado, situado num dos grandes cruzamentos de Jalalabad e não longe do palácio do governador.

A AP adianta que o grupo de sikhs e hindus se dirigia para o palácio, onde planeava encontrar-se com o Presidente afegão, Ashraf Ghani, que hoje está de visita oficial de dois dias à região de Nangarhar, que faz fronteira com o Paquistão e é reclamada como um bastião do Estado Islâmico.

Durante a visita, o chefe de Estado afegão reiterou a oferta de dialogar com os talibãs "onde quiserem", segundo noticiou a televisão afegã Tolo News.

O ataque ainda não foi reivindicado, mas os talibãs e o autoproclamado Estado Islâmico estão ativos na região. De maioria pashtun, Nangarhar serviu de refúgio ao ex-líder da Al-Qaida Osama bin Laden.

A pequena minoria sikh e hindu é discriminada e ostracizada há décadas no Afeganistão, onde conta com 20 mil membros, isto apesar de a Constituição lhes garantir um representante no parlamento. Esta não é a primeira vez que a comunidade é alvo de ataques, nomeadamente por parte de extremistas islâmicos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.