Bombeiros organizam evacuação da estação de Parssons Green

Os bombeiros de Londres estão a organizar a retirada dos passageiros da estação de Parssons Green na capital britânica após um "incidente", que testemunhas referem ter sido provocado por uma explosão.

Fotografias captadas dentro do comboio afetado mostram um balde de plástico dentro de um saco de supermercado onde se veem chamas e, provavelmente, fios elétricos.

Testemunhas indicam que se "gerou o pânico" entre os passageiros do metropolitano.

Segundo a Associated Press, os primeiros relatos indicam que as pessoas entraram em pânico depois de uma mulher que se encontrava na plataforma da estação de Parssons Green ter alertado sobre a "uma explosão".

"Estava uma mulher na plataforma que dizia que tinha visto um saco, um clarão e depois uma explosão", disse aos jornalistas Richard Aylmer-Hall acrescentando que viu algumas pessoas com ferimentos aparentemente provocados no momento em que tentavam fugir da estação, no sudoeste de Londres.

A Polícia Metropolitana de Londres divulgou hoje de manhã uma mensagem através da rede social Twitter referindo que se regista um "incidente" na estação de Parssons Green (District Line) e que o serviço de ambulância foi enviado para o local.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.