Bomba da II Guerra Mundial leva a evacuação do centro de Berlim

A polícia alemã vai evacuar uma zona do centro de Berlim na sexta-feira, após ter sido encontrada uma bomba da II Guerra Mundial na estação central Hauptbahnhof

Uma bomba por explodir da II Guerra Mundial foi encontrada durante obras na estação ferroviária central de Hauptbahnhof, em Berlim. Apesar de não representar "perigo imediato", as autoridades vão evacuar a zona na sexta-feira por precaução.

A bomba pesa 1.500 quilos e vai ser removida e desativada numa operação "que será demorada e difícil", admite a polícia alemã, citada pelo site The Local .

Os trabalhos começam a partir das 09:00 (10:00 em Portugal) de sexta-feira e a polícia apela para que a população siga as instruções das autoridades.

Todos os edifícios num raio de 800 metros em volta da estação têm de ser evacuados durante a manhã, por precaução, precisou a polícia no Twitter. Entre outros edifícios, vão ser evacuados a gare, os ministérios da Economia e dos Transportes, um hospital militar e embaixadas, segundo um porta-voz da polícia.

O número de pessoas afetadas não foi divulgado.

Mais de 70 anos depois do fim da II Guerra Mundial continua a ser frequente a descoberta de bombas não detonadas quando são feitas obras, muitas das quais obrigam à evacuação de edifícios próximos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Simone e outros ciclones

O mais fácil é fazer coincidir com o avanço da idade o crescimento da necessidade - também um enorme prazer, em caso de dúvida - de conversar e, mais especificamente, do desejo de ouvir quem merece. De outra forma, tornar-se-ia estranho e incoerente estar às portas de uma década consecutiva em programas de rádio (dois, sempre com parceiros que acrescentam) que se interessam por escutar histórias e fazer eco de ideias e que fazem "gala" de dar espaço e tempo a quem se desafia para vir falar. Não valorizo demasiado a idade, porque mantenho intacta a certeza de que se aprende muito com os mais novos, e não apenas com aqueles que cronologicamente nos antecederam. Há, no entanto, uma diferença substancial, quando se escuta - e tenta estimular-se aqueles que, por vias distintas, passaram pelo "olho do furacão". Viveram mais (com o devido respeito, "vivenciaram" fica para os que têm pressa de estar na moda...), experimentaram mais, enfrentaram batalhas e circunstâncias que, de alguma forma, nos podem ser úteis muito além da teoria. Acredito piamente que há pessoas, sem distinção de sexo, raça, religião ou aptidões socioprofissionais, que nos valem como memória viva, num momento em que esta parece cada vez mais ausente do nosso quotidiano, demasiado temperado pelo imediato, pelo efémero, pelo trivial.

Premium

Henrique Burnay

Isabel Moreira ou Churchill

Numa das muitas histórias que lhe são atribuídas, sem serem necessariamente verdadeiras, em resposta a um jovem deputado que, apontando para a bancada dos Trabalhistas, perguntou se era ali que se sentavam os seus inimigos, Churchill teria dito que não: "Ali sentam-se os nossos adversários, os nossos inimigos sentam-se aqui (do mesmo lado)." Verdadeira ou não, a história tem uma piada e duas lições. Depois de ler o que publicou no Expresso na semana passada, é evidente que a deputada Isabel Moreira não se teria rido de uma, nem percebido as outras duas.