Bolsonaro retirará embaixada da Palestina do Brasil se for eleito

"Não é um país, se a mantivermos, qualquer dia a FARC teria também de ter representação diplomática", disse o candidato líder das sondagens

Jair Bolsonaro retirará do Brasil a embaixada da Palestina se for eleito presidente do Brasil em Outubro. Para o candidato do PSL "a Palestina, não sendo um país, não teria embaixada aqui, não dá para fazer improvisos, senão, qualquer dia, a FARC teria também uma representação aqui", prosseguiu referindo-se à organização paramilitar que atuou na Colômbia.

"Aquela embaixada ali ao lado do [Palácio do] Planalto não é área para isso, a Dilma [Rousseff] negociou com a Palestina e não com o povo de lá, você não negoceia com terrorista".

O Brasil reconheceu em 2010 a Palestina como estado independente.

Ainda sobre política internacional, Bolsonaro reafirmou que os Estados Unidos, que este ano transferiram a embaixada de Tel-Aviv para Jerusalém e deixaram de ser considerados interlocutores no processo de paz na região pela Autoridade Palestiniana, serão privilegiados pelo Brasil na política externa, ao lado da União Europeia e de Israel.

São Paulo

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...