Bolsonaro promete "produzir felicidade"

Num discurso realizado via webcam, o vencedor da primeira volta alertou para o perigo da mobilização do PT e prometeu um governo que produza felicidade.

O discurso de Jair Bolsonaro sofreu interrupções na transmissão televisiva no momento em que o candidato do PSL afirmava que o Partido dos Trabalhadores tem "parte dos media favorável aos seus propósitos". A coincidência deu-se pouco depois do início do discurso, com Bolsonaro sentado, ladeado de uma tradutora de linguagem gestual.

"Eles têm bilhões [milhares de milhões] para gastar, eles afundaram bancos, têm um poder económico enorme", alertou.

O militar na reforma alegou que o sistema de voto eletrónico foi usado contra ele e como tal fez um apelo à mobilização. "Temos de acreditar no nosso Brasil (...) Não podemos esmorecer."

Afirmou que é a liberdade "que está em jogo", bem como a continuação do processo Lava-Jato. Nesse momento invocou "o nosso juiz Sérgio Moro".

Em caso de vitória, Bolsonaro reafirmou que vai "reduzir a corrupção e diminuir o Estado", "valorizar o que é nosso" e criar um "governo decente, que trabalhe para o povo" e, em última análise, possa "produzir felicidade".

Jair Bolsonaro teve 46% dos votos na primeira volta das presidenciais.

A segunda volta está marcada para dia 28.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?