Bolsonaro permanece em estado grave e precisa de nova cirurgia

O candidato às presidenciais brasileiras Jair Bolsonaro vai precisar de uma nova cirurgia, para reconstituir partes do intestino, e mantém-se em estado grave, informou segunda-feira o hospital, no seu mais recente boletim médico.

Segundo os médicos do Hospital Albert Einstein, em São Paulo, a nova cirurgia ao candidato do Partido Social Liberal (PSL) será de "grande porte", sendo que o seu estado ainda é grave. O político permanece na Unidade Terapia Intensiva.

Jair Bolsonaro, atingido na quinta-feira por uma facada durante um ato de campanha em Minas Gerais, lidera a corrida eleitoral de outubro, com 22% das intenções de voto, na primeira sondagem feita após a recusa da candidatura liderada por Lula da Silva (PT).

De acordo com o novo boletim médico revelado hoje, Bolsonaro apresenta sinais de infeção e tem sido alimentado por via endovenosa. O candidato sofre ainda com paralisia intestinal, o que, segundo a equipa médica, é comum em casos semelhantes. O deputado tem feito ainda fisioterapia respiratória e motora.

"O paciente permanece ainda com sonda gástrica aberta e em íleo paralítico (paralisia intestinal), que ocorre habitualmente depois de grandes cirurgias e traumas abdominais", diz a nota divulgada pelo hospital.

A operação já estava planeada para quando o candidato tiver alta, segundo a Globo.

Os médicos explicaram que a mesma só deve acontecer daqui a dois meses e que, por agora, Bolsonaro vai continuar com a "bolsa externa ligada à barriga".

Bolsonaro tem defendido os valores tradicionais da família cristã, o porte de armas e 'prega' que o combate à violência no Brasil, país que atingiu a marca de 63.800 homicídios em 2017, deve ser feito de forma violenta pelas autoridades.

A polícia brasileira deteve o autor confesso do ataque, que disse ter agido "sob o comando de Deus" e atribuiu o crime às suas diferenças políticas e religiosas com a extrema-direita.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.