Bolsonaro está melhor e já pode voltar a comer

O boletim médico do candidato à presidência do Brasil refere que o paciente regista evolução favorável e não tem sinais de infeção

Jair Bolsonaro, candidato às eleições presidenciais do Brasil pelo Partido Social Liberal, já está sem febre e sem sinais de infeção, segundo o boletim médico divulgado esta terça-feira pelo Hospital Albert Einstein, em São Paulo.

O político brasileiro, que foi vítima de um atentado na passada sexta-feira durante uma ação de campanha em Minas Gerais, vai voltar a ser alimentado via oral, uma vez que denotou melhoras em relação aos problemas intestinais de que padecia.

"Na sequência da melhoria intestinal, a sonda nasogástrica foi retirada na manhã de hoje. Será reiniciada a alimentação oral de forma gradual conforme a aceitação", refere o boletim clínico.

Através das redes sociais, Bolsonaro agradeceu às pessoas que estiveram na ação de campanha onde foi esfaqueado em Juiz de Fora. "Nada apagará a chama da esperança que presenciamos nos olhos de cada um presente neste grande dia! Obrigado Juiz de Fora! Obrigado Minas Gerais!", escreveu numa publicação em que colocou um vídeo desse evento.

Bolsonaro sublinhou ainda, através do Twitter, a necessidade de haver maior segurança no Brasil e que essa é uma das suas prioridades.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".