Bolsonaro está melhor e já pode voltar a comer

O boletim médico do candidato à presidência do Brasil refere que o paciente regista evolução favorável e não tem sinais de infeção

Jair Bolsonaro, candidato às eleições presidenciais do Brasil pelo Partido Social Liberal, já está sem febre e sem sinais de infeção, segundo o boletim médico divulgado esta terça-feira pelo Hospital Albert Einstein, em São Paulo.

O político brasileiro, que foi vítima de um atentado na passada sexta-feira durante uma ação de campanha em Minas Gerais, vai voltar a ser alimentado via oral, uma vez que denotou melhoras em relação aos problemas intestinais de que padecia.

"Na sequência da melhoria intestinal, a sonda nasogástrica foi retirada na manhã de hoje. Será reiniciada a alimentação oral de forma gradual conforme a aceitação", refere o boletim clínico.

Através das redes sociais, Bolsonaro agradeceu às pessoas que estiveram na ação de campanha onde foi esfaqueado em Juiz de Fora. "Nada apagará a chama da esperança que presenciamos nos olhos de cada um presente neste grande dia! Obrigado Juiz de Fora! Obrigado Minas Gerais!", escreveu numa publicação em que colocou um vídeo desse evento.

Bolsonaro sublinhou ainda, através do Twitter, a necessidade de haver maior segurança no Brasil e que essa é uma das suas prioridades.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).