Bolívia culpa piloto e companhia aérea pela queda de avião

O governo também informou que vai processar a LaMia e seus funcionários e a controladora de tráfego aéreo que autorizou o plano de voo.

Uma investigação realizada na Bolívia concluiu que o piloto e a companhia aérea LaMia foram os responsáveis pelo acidente de avião que matou 71 pessoas no mês passado, incluindo jogadores da equipa brasileira de futebol Chapecoense.

"A responsabilidade direta é da empresa LaMia e do piloto", disse o ministro da Obras Públicas e Serviços Militares da Bolívia, Milton Claros.

As autoridades bolivianas chegaram a esta conclusão ao analisar uma gravação de áudio na qual o piloto sugere que a aeronave ficou sem combustível ao dizer que houve uma "falha elétrica total", e "falta de combustível".

Logo após estas declarações a aeronave acabou por embater numa encosta perto da cidade colombiana de Medellín.

O governo boliviano também informou que vai processar a LaMia e seus funcionários e a controladora de tráfego aéreo Celia Castedo, que autorizou o plano de voo.

Assim, o presidente da LaMia, Gustavo Vargas Gamboa, e seu filho, Gustavo Vargas Villegas e a controladora de voo continuam a ser investigados, mas rejeitam assumir o erro.

A LaMia anunciou que fará compensações individuais no valor de 165 mil dólares (158 mil euros) para as famílias das vítimas e os únicos seis sobreviventes do acidente.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.