Boeing dá instrução a pilotos sobre a leitura de sinais errados nos sensores

Recomendações do fabricante de aviões surgem depois de queda de 737 Max da Lion Air no mar de Java.

A Boeing enviou instruções para as companhias aéreas que usam o modelo 737 Max sobre como os pilotos devem reagir a leituras erradas das informações dos sensores do aparelho, uma questão que os investigadores acreditam ter sido um fator chave no acidente da Lion Air na Indonésia, no qual morreram 189 pessoas.

Especialistas em aviação disseram que as descobertas iniciais indicam que o piloto e o co-piloto do voo JT610 não sabiam a que velocidade voavam, um problema semelhante ao experimentado no voo 447 da Air France, que se despenhou no Atlântico em 2009.

A Boeing informou que emitiu um manual de operações avisando os pilotos sobre como lidar com "informações erradas de um sensor de ângulo de ataque [AOA, na sigla inglesa]". O sensor envia informações sobre o ângulo em que a aeronave está a voar, o que indica aos pilotos se está a perder potência. Um sensor AOA a dar inputs errados aos pilotos pode levar a leituras erradas sobre a velocidade do avião, causando confusão na tripulação e rápidas perdas de altitude.

Na véspera de se despenhar, já havia sido detetado um problema do AOA daquele Boeing 737 Max, razão pela qual o sensor foi substituído, segundo informações da agência estatal indonésia que trata da segurança aérea.

Um especialista em segurança aérea, David Gleave, que um eventual problema no AOA pode gerar leituras diferentes nos instrumentos do piloto e nos instrumentos do co-piloto, gerando confusão, especialmente se não forem muito experientes.

"Logo a seguir à descolagem liga-se o piloto automático. Se este detetar informações diferentes então o piloto automático desliga-se e diz aos pilotos 'tomem conta disto, é para isso que são pagos'", explicou ainda o especialista.

Assim - prosseguiu - "a reação correta" será perceber que conjunto de instrumentos tem a informação certa", passando o piloto com a informação correta a pilotar o avião manualmente. "A primeira coisa que você precisa de fazer é relaxar e não reagir exageradamente. Os alarmes podem-se estar a apagar e a primeira coisa a fazer é não fazer nada. O avião estava bem antes e ficará bem por um tempo até você descobrir o que se está a passar."

O Boeing 737 Max8 da Lion Jet caiu no Mar de Java apenas 13 minutos após a descolagem em Jacarta, indicando isso que os pilotos tiveram muito pouco tempo para identificar o problema e reagir corretamente.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.