Bernie Sanders gravou vídeo para lançar candidatura presidencial

Bernie Sanders já gravou vídeo para anunciar candidatura a 2020 mas, segundo o Politico.com, ainda não há data para a sua divulgação. Joe Biden, em Munique, disse aos jornalistas que ainda não decidiu se é candidato às primárias do Partido Democrata, mas que está perto de o fazer. Até ao momento, há 11 candidatos democratas declarados, seis dos quais são mulheres

Bernie Sanders, senador independente do Vermont, de 77 anos, já gravou um vídeo para anunciar a sua candidatura às presidenciais de 2020, anunciou o site de notícias Politico.com, citando fontes familiarizadas com o assunto, este sábado. Porém, notou o site norte-americano, não existe ainda uma data fixada para a sua divulgação.

A equipa que trabalha com o ex-rival de Hillary Clinton na corrida democrata para as eleições presidenciais de 2016 nos EUA tem estado a entrevistar pessoas para posições de topo no seu staff, sendo de esperar de Chuck Rocha, conselheiro político que já trabalhou com Sanders em 2016, volte a colaborar com o senador, se a sua candidatura se materializar, adiantou o Politico.

Tim Tagaris e Robin Curran são duas figuras que já aceitaram ajudar Sanders na segunda tentativa para chegar à Casa Branca.Contactada pelo Politico.com, Sara Ford, não respondeu aos pedidos para comentar a notícia sobre a gravação do vídeo.

Ainda no campo democrata, Joe Biden, vice-presidente dos EUA no tempo de Barack Obama, indicou esta sábado que ainda não decidiu se vai apresentar-se à corrida democrata para as presidenciais de 2020. Falando aos jornalistas, à margem da Conferência de Segurança de Munique, na Alemanha, Biden, de 76 anos, disse: "Ainda não me decidi. Estou em processo de o fazer e quando o fizer informarei toda a gente".

Sanders e Biden estão ainda, neste momento, na lista de possíveis candidatos às primárias do Partido Democrata. Até agora, há 11 candidatos declarados, sendo a maioria mulheres.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?